Notícia

JC e-mail

Divulgação científica em quadrinhos

Publicado em 21 agosto 2004

Divulgar os resultados de pesquisas de forma simplificada e descontraída para atingir principalmente alunos do ensino fundamental e médio Thiago Romero escreve para a 'Agência Fapesp': Com essa proposta nasceu a série temática Papo-Cabeça, manual no formato de revista em quadrinhos publicado pela Embrapa Instrumentação Agropecuária, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária em São Carlos, interior de SP. 'A idéia é reduzir o analfabetismo científico no país por meio do conhecimento irrestrito de todos os cidadãos. A compreensão de temas de C&T deve fazer parte do cotidiano das pessoas', disse Joanir Silva, responsável pela publicação, à 'Agência Fapesp'. Levando em consideração que a falta de saneamento básico gera 70% das internações hospitalares no Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, os organizadores decidiram abordar no primeiro número a fossa séptica biodigestora. A tecnologia foi desenvolvida principalmente para a zona rural do país. No mecanismo, composto por três caixas d'água de amianto, com mil litros cada, mais tubos e conexões, a tubulação dos vasos sanitários é desviada para as caixas, fazendo com que os coliformes fecais sejam transformados em adubo orgânico pelo processo de biodigestão. A primeira edição da revista, que deverá ser distribuída gratuitamente como material didático entre estudantes do ensino médio e fundamental, utiliza personagens de uma família para mostrar como evitar que os dejetos da fossa séptica contaminem os lençóis d'água que abastecem a população. 'O estilo de história em quadrinhos foi escolhido por agradar praticamente todos os leitores e também por ser um recurso cada vez mais usado em sala de aula', disse Silva. Segundo a responsável pela série, a revista Papo-Cabeça faz parte das ações do Projeto Mirindiba 20, uma campanha de comunicação interna e externa desenvolvida para comemorar os 20 anos da Embrapa Instrumentação Agropecuária. A campanha prevê ainda iniciativas como uma exposição itinerante de tecnologias pelas praças de São Carlos, além de pontos de leitura sobre assuntos de ciência e tecnologia na cidade. (Agência Fapesp, 21/9)