Notícia

Gazeta Mercantil

Disque-Tecnologia muda atendimento

Publicado em 02 abril 1997

As micro e pequenas empresas carecem de informações tecnológicas básicas, segundo levantamento realizado pelo Disque-Tecnologia, projeto da Universidade de São Paulo (USP) que veio integrar o Programa de Cooperação Universidade/Empresa, da Coordenadoria Executiva de Cooperação Universitária e de Atividades Especiais. Cerca de 70% das empresas ou empreendedores que procuraram o serviço de setembro de 91 a março de 96, em um total de 8.731 consultas, buscavam respostas para problemas cotidianos, segundo o coordenador do Disque-Tecnologia, Luiz Fernando de Gouveia Buffolo. Em sua opinião, falta informação sobre tecnologias já dominadas. Foi com base nessa constatação que houve uma redefinição do projeto inicial. Quando foi criado, em 1991, o Disque-Tecnologia estava preparado para ligar as necessidades das empresas e empreendedores que procurassem o serviço a um docente ou grupo de docentes da própria universidade, que constassem no banco de dados do serviço e que suas pesquisas se aproximassem aos problemas apresentados pelas ligações. Na prática, esse procedimento não deu certo. Primeiro porque a grande maioria dos pedidos ocultava a verdadeira razão do problema da empresa. E, como as solicitações eram pouco definidas, a escolha do docente especializado tornava-se inadequado, gerando um constrangimento tanto por parte do empreendedor como para o docente. Foi necessário, então, alterar o tratamento na recepção das ligações. Ao invés de despacharem diretamente os pedidos aos especialistas, as solicitações passaram a ser atendidas por um grupo de consultores do serviço, explica Buffolo. Os consultores primeiro interpretam a demanda manifesta e checam se ela corresponde à necessidade real do empresário ou empreendedor para a solução do problema. Diante do novo procedimento, outras competências passaram a ser acionadas, como empresas juniores, técnicos, parceiros extra-USP, pós-graduandos, fornecedores de matérias-primas, além dos próprios consultores da equipe do Disque-Tecnologia. A amplitude nacional do programa e a repetição de algumas solicitações levaram a coordenadoria a tomar medidas para multiplicar as informações: a formação de parcerias com organismos semelhantes em várias regiões do País, hoje, somam 15; a criação do Programa Atual-Tec - Seminários de Atualização Tecnológica; e a participação do serviço em meios de comunicação de massa. Na avaliação de Buttolo, a disposição dos 15 organismos (universidades, centro de pesquisas e tecnológicos, associações de empresas, federação das indústrias) de prestarem serviços de acordo com a necessidade da comunidade alterou a relação histórica com as empresas. Em vez de organizarem a oferta e oferecê-la, as universidades e centros tecnológicos e de pesquisa inverteram a ordem desses fatores, completa. A constatação de um grande número de casos reincidentes levou à criação, em 1992, do Programa Atual-Tec. Nesses seminários, ministrados por docentes da USP, um grupo de até trinta alunos recebe informações convencionais, mas atualizadas. Os cursos são feitos em quatro noites, em até 16 horas. Com o mesmo objetivo de divulgar informações nessa área, foi lançado, em 1995, o Clip Tecnologia, programa de rádio de três minutos de duração que faz inserções diárias na Rádio USP. Outros meios de comunicação de massa (revistas e jornais) também vêm sendo usados para disseminar os serviços do Disque-Tecnologia. Em São Paulo, o Disque-Tecnologia mantém acordos com o Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (Simpi) e com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP). Flávia Fontes - São Paulo Disque-Tecnologia: (011) 211-0801