Notícia

Folha de S. Paulo - Vale (São José dos Campos)

Dispositivo aquece a água em até 200ºC

Publicado em 14 agosto 2005

Por Eduarda Geraque, da Agência FAPESP

O dispositivo desenvolvido na Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Guaratinguetá, aparenta ser bastante simples. Uma placa em formato parabólico com 3 metros de comprimento por 1 metro de largura, formada por uma fina folha de aço recoberta por uma película de polietileno refletivo. é a parte mais visível de um novo e eficiente tipo de aquecedor solar.

"Além disso, no foco da placa é fixada uma serpentina formada por cinco canos de cobre enegrecido, com 3 metros de comprimento", explica Teófilo de Souza, professor da Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, responsável pelo invento. "Quando a água passa pelo sistema ela atinge entre 185ºC e 200ºC.

Nos produtos similares, a temperatura chega apenas a 60ºC."
Além da novidade representada pela película, a movimentação do aquecedor no sentido do Sol ao longo do dia é outra das explicações dadas por Souza para justificar o sucesso do dispositivo. "Além do sensor luminoso, existe um pequeno motor, usado em furadeiras, para promover o deslocamento da peça.

A energia elétrica necessária nesse caso é bem pequena, mas também estamos desenvolvendo uma bateria para acionar o mecanismo", disse o pesquisador à Agência Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de São Paulo).
Funcionar sem nenhum tipo de energia elétrica é essencial para que a novidade consiga desempenhar com sucesso uma de suas finalidades, especificamente em ambientes rurais. "O vapor produzido pelo aquecedor pode substituir o querosene e o gás de cozinha no funcionamento de geladeiras", conta Souza.

Outra utilidade, segundo o responsável pelo projeto que também contou com a participação de alunos da Unesp, seria em residências que têm acesso à energia elétrica. Pelas contas do professor de engenharia, o Brasil tem hoje 30 milhões de casas ligadas à rede elétrica. Com cinco pessoas em média, esses lares gastam em torno de R$ 40 com o chuveiro elétrico, ou 40% da conta de luz.

"A economia indireta total, nesse caso, pode chegar a R$ 1,2 bilhão", calcula Souza. Segundo o pesquisador, como o preço aproximado do seu aquecedor solar é de R$ 300, não custaria muito para o próprio governo colocar esses dispositivos nas casas dos brasileiros. "Além disso, em um ano e meio de funcionamento, ele ainda não precisou de nenhum tipo de manutenção", garante Souza, que desenvolveu suas pesquisas no âmbito do Centro de Energias Renováveis da Unesp de Guaratinguetá.