Notícia

A Folha (São Carlos, SP)

Diretor científico da Fapesp vem à São Carlos para dar palestra na USP

Publicado em 05 dezembro 2010

Por Por André Dantas

O diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), professor Carlos Henrique de Brito Cruz, esteve em São Carlos na sexta--feira (03) para ministrar uma palestra no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da Universidade de São Paulo (USP). A palestra fez parte de evento organizado pelo ICMC pra comemorar a avaliação positiva do curso de pós-graduação em Ciências da Computação no relatório trienal da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O conceito do curso subiu de 5 para 6, nota considerada excelente pela entidade, que avalia a qualidade dos programas de pós-graduação das universidades brasileiras.

Em sua palestra, Cruz falou sobre o trabalho da Fapesp no fomento à pesquisa no Estado de São Paulo, e apresentou alguns dados que mostraram que, apesar de a produção científica das universidades paulistas ser maior do que a de muitos países latino-americanos, ainda faltam recursos por parte do governo federal nessa área. "São Paulo aplica em pesquisa mais de 1,6% do PIB estadual, sendo que a média brasileira é de 1%. Dois terços do financiamento à pesquisa no estado vem dos órgãos estaduais de fomento, como a Fapesp, e o restante vem do governo federal. No resto do país, essa proporção se inverte. Esse é o desafio para a produção científica em São Paulo: atrair mais recursos do governo federal" aponta Cruz.

Ele calcula que a Fapesp deva fechar 2010 com uma receita de cerca de R$ 800 milhões, correspondente a 1 % das receitas tributárias do Estado de São Paulo no ano. O valor é aproximadamente 9% maior do que a receita de 2009. Para 2011, a estimativa é de que a receita da entidade seja de R$ 900 milhões, incluindo o reajuste da inflação. Dessa receita, aproximadamente 35% são destinados ao custeio de bolsas e auxílios de pesquisa. Segundo Cruz, a fundação tem hoje 12 mil bolsistas desenvolvendo projetos de pesquisa em todo o estado. A Fapesp também investe maciçamente na estruturação de centros pesquisa, com o programa Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid), e em programas de incentivo para pequenas empresas, como o Pesquisas Inovativas em Pequenas Empresas (PIPE), que consomem por volta de 13% dos investimentos da fundação. "No caso de São Carlos, a Fapesp já investiu, em 10 anos, mais de R$ 25 milhões nos centros de pesquisa de óptica e no de biologia molecular estrutural da USP" aponta Cruz.