Notícia

O Observador online

Dieta de insetos

Publicado em 17 abril 2020

O homo sapiens está no planeta há 300 mil anos, depois de assistir à extinção dos Neandertais. Nossa sobrevivência dependeu da grande variedade de alimentos que a natureza nos ofereceu. Não precisou, durante milhares de anos, ir a Paris para saborear escargots, caracóis, da família das lesmas, apreciados por gregos e romanos. Há milhares de anos, o homo sapiens alimenta-se de insetos. Um dos melhores aperitivos da Colômbia e países andinos são as hormigas culonas(nossas tanajuras) com cerveja gelada. Alguns jornalistas brasileiros horrorizam seus ouvintes e leitores com expressões que ridicularizam os hábitos primitivos de orientais – chineses, japoneses, africanos – por comerem morcegos, ratos, preás e pangolinos (tatus). A lista de insetos da dieta do homo sapiens é extensa e variada, muito antes da pizza e da macarronada, dos testículos de touro e do joelho de porco. Mais de 5 bilhões de homo sapiens aderimos ao boi e ao frango. Segundo a FAO, cerca de dois bilhões de homo sapiens têm, na dieta de proteínas e cálcio, gafanhotos, grilos e larvas de besouros. Da cochonilha se extrai o corante vermelho que se usa nos temperos das melhores cozinhas do mundo.

O Brasil oferece 135 espécies de insetos comestíveis para a dieta de diferentes populações regionais: himenópteros(formigas, saúva, tanajura), coleópteros(besouros), o bicho do tucumã ou larva de besouro, na Ilha do Marajó (o óleo desse bicho substitui a manteiga), cigarras, cupins, gafanhotos, bicho do coco (vive em coqueiro, babaçu e carnaúba). A vida se nutre de vidas.

A Jimini’s francesa comercializa barras de cereais à base de farinha de insetos, servidos nos aviões, além de petiscos feitos com insetos desidratados e temperados. Na Alemanha, a BugFoundation oferece ao homo sapiens hambúrgueres à base de soja e larvas de besouro. Uma concorrência desleal do homo sapiens com aves e lagartixas. A integração homo sapienscom insetos talvez seja a melhor vacina contra os velhos e os novos vírus que estão no planeta há 60 bilhões de anos.

(GRAWOBSKI, N. T. International Jornal of Food Microbiology, 2017, PESQUISA FAPESP, 290.)

Alta culinária de insetos, século 21, ano 2020, a la carte.

 

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Blog Higiene e Segurança Alimentar Blog do Professor Rafael Porcari