Notícia

Jornal da Unicamp online

Diagnósticos veterinários mais rápidos e confiáveis

Publicado em 03 agosto 2009

Por Raquel do Carmo Santos

A veterinária Juliana Falcato Vecina propõe a utilização de métodos automatizados para a detecção de inflamação ou infecção em cães. "Na rotina, os procedimentos adotados carecem de metodologia ágil e eficaz, pois são usadas técnicas manuais, sem precisão e padronização", revela Juliana. O hemograma, por exemplo, exame laboratorial mais comum, sofre alterações características de inflamação 72 horas depois da agressão tecidual e, dependendo do caso, o tratamento pode ser tardio. Neste sentido, a importância do trabalho reside, justamente, no diagnóstico precoce e intervenção com rapidez para evitar maior sofrimento e até a morte dos animais. Um dos marcadores testados é capaz de sofrer alterações seis horas após o dano.

O estudo, apresentado na forma de dissertação de mestrado na Faculdade de Ciências Médicas (FCM), foi orientado pela professora Helena Zerlotti Wolf Grotto e tomou como base a avaliação clínica de 117 cães adultos de diferentes raças, divididos em dois grupos. Um formado para controle e outro por cachorros doentes, subdivididos entre inflamatórios e com processo infeccioso, acolhidos pela ONG Pata Amiga, de Valinhos, no Estado de São Paulo. Parte dos cães sadios pertencia ao canil do Centro Multidisciplinar para Investigação Biológica na Área da Ciência em Animais de Laboratório (Cemib) e os demais eram crias de funcionários da Unicamp. A proposta foi comparar métodos automatizados diferentes, já utilizados no diagnóstico humano.

Após realizar a anamnese e exame físico dos animais, o próximo passo foi coletar sangue e avaliar hemograma, VHS ou velocidade de hemossedimentação, fibrinogênio, proteína C-reativa e interleucina 6. O hemograma foi aferido em três equipamentos - dois usados para o procedimento em humano, sendo um calibrado para o sangue canino e um de uso exclusivo veterinário. O equipamento calibrado apresentou melhores resultados e, juntamente com os outros marcadores de inflamação, permitiu criar um protocolo para o diagnóstico mais rápido.

Juliana destaca a complexidade operacional de um trabalho com as características do estudo, uma vez que o número de amostras foi extremamente representativo. Em geral, as pesquisas em veterinária ainda sofrem um retrocesso, segundo ela, por conta da dificuldade de sair a campo e encontrar animais adequados para investigações. A pesquisa contou com o financiamento da Fapesp.