Notícia

Página Rural

DF: novo número dos Cadernos de Ciência & Tecnologia discute barreiras ao consumo e patentes para frutos do Cerrado

Publicado em 21 novembro 2017

Espécies do bioma Cerrado, como o pequi e o cumbaru ou baru, como é também conhecido, agricultura familiar e impactos dos agrotóxicos na saúde e no meio ambiente, são alguns dos temas abordados no volume 34 da revista Cadernos de Ciência e Tecnologia – CC&T, publicada pela Embrapa Informação Tecnológica em versão eletrônica e editada no Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (Seer).

Criada com o propósito de estimular a reflexão e o debate, a publicação traz em seus textos uma análise crítica sobre questões relativas ao desenvolvimento rural, como as implicações sociais, políticas e culturais do processo de geração, desenvolvimento e transferência de tecnologia; as tendências científicas do agronegócio do ponto de vista institucional, gerencial e de mercado; entre outros assuntos.

Nesta edição, dois artigos destacam espécies do bioma Cerrado – o pequizeiro (Caryocar brasiliense) e o cumbaru (Dipteryx alata) – exploradas de forma extrativista e pouco conhecidas fora das regiões de ocorrência.

O primeiro, traz o resultado do monitoramento do conhecimento publicado e das tecnologias geradas com o pequizeiro, seu consumo e o processamento pelas indústrias alimentícia e cosmética. Também revela que grande parte das tecnologias protegidas pelo sistema de patentes é de titularidade de empresas estrangeiras ou de pessoas físicas que, em sua maioria, perdem o processo de patente. No artigo, os autores destacam a importância da aproximação de instituições de pesquisa e cooperativas, associações e redes, de modo a promover a exploração do pequizeiro com técnicas inovadoras e que tragam maior valor agregado aos produtos derivados do fruto e renda aos agricultores.

O artigo Cadeia produtiva do cumbaru (Dipteryx alata Vogel) destaca estudo realizado no Pantanal, numa área de transição com o Cerrado, em que foram identificados os principais obstáculos na coleta, processamento e distribuição do fruto. Os resultados apontaram que, embora o cumbaru ou baru tenha alto valor nutricional e sabor agradável, a falta de divulgação e a resistência ao consumo das amêndoas são as principais barreiras ao consumo, o que revela a necessidade de estruturação da cadeia produtiva, de capacitação do extrativista, de valorização dos produtos florestais não madeireiros e de regularização da comercialização.

Três outros trabalhos

A agricultura familiar no contexto das cooperativas rurais: o caso da Ecocitrus; Análise de sustentabilidade do Projeto Hidroagrícola Javaés/Lagoa; e Programa Banco Comunitário de Sementes de Adubos Verdes são estudos de caso realizados no Rio Grande do Sul, em Tocantins e no Rio de Janeiro, que buscam estabelecer a viabilidade e a sustentabilidade dos projetos analisados, seus impactos, contribuições e benefícios para as comunidades.

Impactos de agrotóxicos sobre o meio ambiente e a saúde humana é o artigo de revisão que encerra esta edição da revista CC&T. Nele são abordados resultados científicos dos impactos de agrotóxicos em cultivos agrícolas sobre o meio ambiente e a saúde humana. O estudo reforça a necessidade de mais incentivos à adoção de práticas agroecológicas, de capacitação daqueles que manipulam os agrotóxicos e ainda da proibição de princípios ativos já comprovadamente nocivos ao ambiente e à saúde humana, além da fiscalização mais rígida pelos órgãos ambientais competentes.

Desempenho e gestão do CC&T

Encontrar nova forma de trabalhar os conteúdos da revista e melhorar o desempenho dos fluxos editoriais levou os editores do CC&T a adotar o Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas (Seer), ferramenta desenvolvida para criação e gestão de uma publicação eletrônica. O sistema foi adotado, em 2010, para a disponibilização de todo o acervo da revista, editada desde 1984. Neste mês de novembro, o processo editorial completo, desde a submissão dos artigos pelos autores até a publicação dos selecionados, passou a ser feito pelo Seer.

A submissão e o gerenciamento inteiramente on-line dos trabalhos permite aos autores e editores acompanharem, de forma eficiente, os fluxos da edição. “Além de promover a adequação da revista aos padrões internacionais para periódicos on-line, a ferramenta torna o processo editorial mais ágil e transparente”, explica Maria Amália Martins, editora do periódico desde 2003.

O CC&T também comemora o reforço na sua equipe, que passou a contar com a colaboração de Célia Regina Tremacoldi e Antônio Luiz Oliveira Heberlê – ambos pesquisadores da Embrapa – na editoria técnica da revista, ao lado de Maria Amália. Célia assume a coordenação editorial da revista, e como engenheira agrônoma, com doutorado e pós-doutorado em fitopatologia e experiência desde 2015 como coeditora da Revista Pesquisa Agropecuária Brasileira (PAB), cujos processos editoriais são 100% digital, aporta conhecimento e técnica às edições do periódico. Assim como Antônio Heberlê, jornalista, com mestrado em comunicação social e doutorado em ciências da comunicação, e que desde 1982 atua na Embrapa, dedicando-se principalmente à divulgação científica e à comunicação para o desenvolvimento.

Maria Amália lembra ainda o importante papel formador didático dos editores do CC&T quando promovem o diálogo com os autores, sugerem ajustes e outras melhorias nos textos, tudo isso para que o artigo, cujo tema seja relevante, não deixe de ser publicado. “É mais que gratificante ouvir do autor a diferença que fez para ele esse tratamento, mas é também compromisso nosso como editores de uma publicação de empresa pública.”

Os avanços nos Cadernos de C&T, que são demandas antigas, vão ao encontro das estratégias nacionais da comunicação científica, cuja concepção e implementação vêm sendo orientadas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pela Scientific Electronic Library Online (SciELO).

História do CC&T

Criado em 1984, Cadernos de Ciência & Tecnologia (CC&T) é um periódico quadrimestral coordenado pela Embrapa Informação Tecnológica (Brasília, DF) e destinado a promover reflexões e debates sobre o desenvolvimento agropecuário em seus aspectos sociais, econômicos, ambientais, culturais e políticos. Reúne artigos, ensaios e textos de debate, além de resenhas de pesquisadores, professores e estudantes de pós-graduação, e está indexado nas bases de dados Agris (FAO); Agrícola (USA); Agrobase (BR/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) e Base de dados da Pesquisa Agropecuária Brasileira (BR/Embrapa). A classificação da revista CC&T no Qualis/Capes é B3, caracterizada como interdisciplinar por não estar restrita às ciências agrárias ou à sociologia.

Diversas edições especiais do periódico já foram lançados e vêm contribuindo para despertar reflexões e debates acerca de temas relevantes para a ciência e a agricultura, como as edições comemorativas do Ano Internacional dos Solos, publicada em 2016; dos 40 anos da Embrapa e do Ano Internacional da Agricultura Familiar, de 2014; do número temático sobre sistemas de produção, de 2012; da edição temática sobre transferência de tecnologia na agricultura brasileira, de 2011; da edição comemorativa do ano do Brasil na França, de 2005; do número temático sobre agricultura orgânica, de 2002; do número temático sobre transgênicos, de 2001; bem como do número especial sobre propriedade intelectual na agricultura, publicado em 1998.

Para saber mais sobre os Cadernos de C&T, as normas de publicação e outras informações, clique aqui.

Fonte: Embrapa Informação Tecnológica