Notícia

Jornal da Unesp

Destino adequado - Resíduos químicos recebem tratamento

Publicado em 01 maio 2004

Os resíduos químicos produzidos nas atividades de ensino, pesquisa e extensão do campus da UNESP em Rio Claro agora têm um destino adequado. Graças a investimentos da Reitoria e de um projeto de Infra-estrutura de Resíduos Químicos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), está em operação, desde agosto de 2003, o Laboratório de Tratamento e Armazenagem de Resíduos Químicos (LTARQ), sob responsabilidade de José Carlos Marconato e Sandra Mara Martins Franchetti, docentes do Departamento de Bioquímica e Microbiologia do Instituto de Biociências (IB) e membros da Comissão de Tratamento de Resíduos Químicos do campus. "Os resíduos são armazenados e tratados com a finalidade de preservar o meio ambiente", afirma Marconato. "Buscamos ainda criar uma consciência educativa entre professores, alunos e funcionários, estimulando a disseminação de um conceito: quem gera o resíduo deve cuidar do seu descarte", completa Sandra. O laboratório conta ainda com a participação voluntária dos estagiários Silvio Roberto Arthur e Ana Carolina Vasques. Entre outras atividades, eles realizam: a recuperação de solventes; a precipitação de metais pesados e a sua armazenagem; e a neutralização de ácidos e bases. "Também participam da coleta organizada dos resíduos e da devolução dos solventes purificados aos laboratórios para a sua reutilização", conta Marconato. Um Manual de Regras de Segurança e Técnicas Básicas em Laboratório foi preparado pela docente Sandra e distribuído no campus para auxiliar os usuários de laboratórios quanto ao manuseio e descarte adequado de produtos químicos. "Nosso objetivo é dar continuidade a estas atividades. Para isso, é preciso desenvolver uma rotina diária de trabalho e manter uma atuação constante", conclui o docente do IB.