Notícia

AMDA - Associação Mineira de Defesa do Ambiente

Desertificação é discutida na COP 8

Publicado em 03 abril 2006

A preocupação com os processos de desertificação e suas conseqüências foi discutida na Oitava Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica — COP 8, em Curitiba. A migração na África causada por esse problema foi tratada como algo grave, que é preciso evitar ou fazer com que as populações consigam meios de sobrevivência nos ambientes áridos.
"Não dá para combater a pobreza sem trabalhar para que o solo seja fértil. Por isso, é fundamental que exista sinergia entre as convenções da biodiversidade, do clima e da desertificação", afirmou Hama Arba Diallo, secretário da Organização das Nações Unidas — ONU para o Combate à Desertificação.
A idéia deverá ser mais bem trabalhada até a realização da próxima conferência, em 2008, na Alemanha, mas ganhou importantes adeptos na reunião no Brasil.
Tanto o secretário da Conferência sobre Diversidade Biológica — CDB, Ahmed Djoghlaf, quanto a ministra brasileira do Meio Ambiente, Marina Silva, apontaram a importância das conexões entre as convenções. Segundo eles, a desertificação está muito mais focada no aspecto socioambiental do que no ambiental, uma vez que fala explicitamente do combate à pobreza.
Para Marina, além das articulações entre as convenções da biodiversidade, do clima e da desertificação, é preciso lembrar que ações concretas precisam ser feitas. "É fundamental trabalhar com as comunidades locais e não para elas", afirma.
Apesar de 2006 ser, para a ONU, o Ano Internacional dos Desertos e da Desertificação, organismos internacionais tentam financiar projetos específicos para as regiões áridas há mais de uma década. Na África, por exemplo, um dos projetos considerados exemplares pelo próprio sistema de avaliação da ONU vem do Vale São João Batista, no Cabo Verde.
"A abordagem de compreensão integral demonstrada pelo projeto, que combinou aspectos biofísicos, socioeconômicos e participativos, produziu um sucesso significante em todas as áreas", escreveram os técnicos da ONU no relatório de avaliação do programa africano. Os problemas existentes, como falta de chuvas, ausência de sistemas eficientes de irrigação e alto crescimento populacional, não são diferentes dos encontrados em outros lugares.
No Brasil, segundo o secretário de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente, João Bosco Senra, as ações são feitas em duas frentes. "Estamos evitando financiar projetos que possam piorar o problema, como os de pecuária intensiva, por exemplo, e procurando estimular outros, que ajudem no combate à desertificação", disse.
Entre as ações propositivas, segundo Senra, estão o programa Fome Zero e o projeto da construção de cisternas no sertão. Até hoje, no entanto, existem apenas 100 mil equipamentos do tipo para guardar a água da chuva, enquanto a meta era ter dez vezes mais.
Agência FAPESP