Notícia

Investe São Paulo

Desenvolve SP acelera crescimento de startups por meio de cinco FIPs

Publicado em 29 maio 2019

O propósito de uma agência de fomento, como a Desenvolve SP, é apoiar o desenvolvimento de micros, pequenos e médios negócios, incentivando o crescimento da economia e a geração de emprego e renda no Estado. Por isso, além de financiar projetos de inovação, a longo de sua trajetória de 10 anos, a agência também se tornou investidora de cinco Fundos de Investimento em Participações, os chamados FIPs, com objetivo de acelerar o crescimento de startups e empresas de alto potencial. Ao todo, os Fundos somam mais de R$ 500 milhões em patrimônio para aportar recursos em projetos disruptivos das mais variadas áreas.

OBJETIVO DOS FIPS

Os Fundos de Investimento em Participações de empresas funcionam como uma comunhão de recursos destinados à aplicação em companhias abertas, fechadas ou sociedades limitadas, em fase de desenvolvimento. Cabe ao administrador constituir o fundo e realizar o processo de captação de recursos junto aos investidores através da venda de cotas. “Em linhas gerais, o objetivo de um FIP, formado por investidores diversos, é criar valor para a companhia aportada, por meio do desenvolvimento de seu negócio, bem como pela implementação de práticas de governança corporativa”, explica Rafael Bergamaschi, superintendente de negócios da Desenvolve SP.

FUNDO DE INOVAÇÃO PAULISTA

Entre os cinco FIPs que a Desenvolve SP investe, destaca-se o Fundo de Inovação Paulista, gerido pela SP Ventures. O fundo foi idealizado pela própria agência, em 2012, e conta com investidores de peso, como a Fundação de Amparo à Pesquisa do estado (Fapesp), a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), o Sebrae-SP, o Banco de Desenvolvimento da América Latina e Jive Investments, além da própria Desenvolve SP. Entre 2017 e 2018, R$ 105 milhões foram aportados pelo Fundo em 20 empresas paulistas.

Considerado um dos FIPs mais ativos do mundo com foco no impulsionamento de AgTechs (startups de tecnologia para o agronegócio), de acordo com as organizações internacionais de pesquisa CBInsights e Agfunder, a projeção da gestora do fundo (SP Ventures) é que o retorno do capital investido alcance R$ 420 milhões até 2021.

Uma das empresas que recebeu aporte do Fundo Inovação Paulista é a Agrosmart. A plataforma criada em 2014, em Campinas, monitora lavouras em tempo real e já é líder em abrangência na América Latina. Ao analisar diversas variáveis ambientais ligados ao clima, solo e plantas, a tecnologia aumenta a produtividade em 20% e ainda promove economia de 60% de água e 40% de energia. E tudo isso a partir da palma da mão. Através de um aplicativo, o sistema pode ser acessado remotamente por dispositivos móveis como o celular.

Por conta dos recursos públicos envolvidos, o Fundo Inovação Paulista tem ainda a missão de desenvolver ecossistemas locais de inovação. É o caso de Piracicaba, que reúne cerca de 80 empreendimentos de base tecnológica em torno da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo, e vem se firmando como um celeiro de soluções para o agronegócio. “A região de Piracicaba é conhecida como o AgTech Valley, numa referência ao Vale do Silício americano. Vem de lá a empresa que recebeu um dos maiores aportes do Fundo de Inovação Paulista: a Gênica. Foram R$ 6 milhões investidos na empresa especializada em biodefensivos agrícolas”, diz Bergamaschi, da Desenvolve SP.

OS OUTROS FIPS

A Desenvolve SP participa ainda do Fundo Aeroespacial, que investe em pequenas e médias empresas dos setores aeronáutico, segurança, defesa e integração de sistemas; do Fundo Performa SC-I, voltada a empresas de tecnologia direcionada a serviços; do Fundo BBI Financial I, com foco na área de saúde; e do Fundo CRP Empreendedor, que é multisetorial, mas prioriza setores propulsores de inovação como petróleo e gás, bens de capital, energias renováveis, nanotecnologia, biotecnologia e novos materiais.

Os interessados em concorrer a investimentos realizados por meio dos fundos devem procurar seus gestores durante o período de captação. Cada projeto passa por processo de seleção. O Fundo Aeroespacial é o único dos quais a Desenvolve SP participa ainda aberto para receber propostas (pitchs). As inscrições podem ser realizadas no site da agência.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
ABC do ABC Agora Vale Protec - Pró-Inovação Tecnológica