Notícia

Correio Popular

Descoberta poderá acelerar cultivo

Publicado em 18 dezembro 2002

Quatro projetos começarão a ser desenvolvidos, a partir de janeiro, para identificar as funções biológicas dos cerca de 30 mil genes do café. Nessa fase, chamada de Genoma Funcional, está a possibilidade de descobrir; onde estão depositadas as chaves essenciais da planta. É o gene que carrega toda a informação genética de um organismo e que será passada de uma geração para a outra. Sabendo, por exemplo, qual o gene relacionado à maturação do fruto, será possível interferir nesse gene e obter uma maturação mais rápida. O ciclo de flor a fruto leva em torno de seis meses. "Se pudermos; descobrir qual o gene que regula a maturação e interferir para que o tempo de maturação seja reduzido, os ganhos econômicos serão muito grandes", diz o pesquisador Carlos Colombo. : Descobrir qual o gene relacionado à resistência da planta a um patógeno; será essencial pata o desenvolvimento de plantas resistentes, implicando em redução de gastos, por exemplo, com inseticidas. Um dos projetos na linha do genoma funcional do café, que está sendo desenvolvido pela Unicamp, é o isolamento de genes de café relacionados com a resistência ao "bicho mineiro". A intenção é melhorar a produtividade e qualidade do principal produto agrícola mundial. A produção cafeeira no Brasil é representada por aproximadamente 320 mil propriedades, que na sua maioria são de pequeno porte (até 10 hectares), distribuindo-se entre 13 estados brasileiros. São gerados pela cafeicultura 3 milhões de empregos diretos e uma produção bruta de US$ 1,5 bilhões. O setor industrial gera ao País cerca de US$ 17 milhões. Aproximadamente 4% do volume; total das exportações brasileiras são representados pelo café, propiciando uma receita ao redor de US$ 1,5 a 2 bilhões. O setor de exportação, juntamente com o setor industrial, propicia cerca de 6 milhões de empregos indiretos. (MTC)