Notícia

Jornal do Comércio (RS)

Descoberta ajudará na criação de novos fármacos contra tuberculose

Publicado em 26 agosto 2020

Por Da Redação

A tuberculose é a doença infecciosa que mais mata jovens e adultos no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). São aproximadamente 10 milhões de casos e 1,5 milhão de mortes por ano. Pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP) identificaram moléculas capazes de se ligar a uma das principais enzimas da bactéria Mycobacterium tuberculosis, a dii dro folato redutase (Dhfr). Publicado na revista ACS Infectious Diseases, da Sociedade Americana de Quimica, e financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), o estudo representa um importante avanço na busca por novos tratamentos para a doença. Coordenado pelo pesquisador Marcio Vinicius Berta cine Dias, o grupo foi um dos primeiros no Brasil a usar a técnica de descoberta de fármacos baseada em fragmentos, que consiste em testar moléculas simples e pequenas contra alvos biológicos especificos em algum patógeno. O alvo escolhido foi a enzima Dhfr, por ser essencial para a sobrevivência da bactéria. Há mais de 10 anos trabalhando com a Dhfr em tuberculose, os cientistas já observaram que a bactéria possui algumas caracteristicas que a tornam mais resistente a antibióticos utilizados para outras infecções bacterianas. O atual tratamento para tuberculose envolve pelo menos quatro fármacos diferentes durante seis meses, acompanhados de uma série de efeitos colaterais, como danos no figado. (Jornal da USP)