Notícia

JC e-mail

Desafio do milênio

Publicado em 24 outubro 2008

A comunidade científica aprovou um novo programa internacional de pesquisa que tem o objetivo de avaliar a relação entre o homem e os ecossistemas que fornecessem recursos essenciais para a preservação da vida no planeta

A decisão foi tomada nesta quarta-feira (22/10), durante a assembléia-geral do Conselho Internacional da Ciência (ISCU, na sigla em inglês), realizada em Maputo, Moçambique. Segundo os idealizadores, a iniciativa deverá ajudar a fornecer o conhecimento científico necessário para o uso sustentável dos ecossistemas.

Os ecossistemas ameaçados fornecem benefícios essenciais para a vida, como alimentos, água, hábitat, recuperação de nutrientes, formação e conservação do solo. Em 2005, o relatório de Avaliação Ecossistêmica do Milênio, encomendada pela Organização das Nações Unidas, destacou que, por causa da ação humana, mais de 60% dos serviços dos ecossistemas – tais como água doce, pesca, regulação do solo e do clima – registravam alto grau de degradação ou eram usados de forma insustentável. O processo, de acordo com o relatório, tende a se agravar nos próximos 50 anos, colocando em risco a sobrevivência das gerações futuras.

“Mudanças climáticas, poluição, alterações no uso da terra e espécies invasoras, somadas ao crescimento populacional, ao aumento do consumo, à globalização e à urbanização, têm colocado uma enorme pressão no meio ambiente para que ele possa continuar a suprir os serviços de que precisamos”, disse Hal Mooney, coordenador do grupo que recomendou o novo programa.

“A menos que façamos algo imediatamente, a maré de destruição continuará, causando perda catastrófica na biodiversidade, ampliação da pobreza e crise econômica”, afirmou o também professor do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Stanford, nos Estados Unidos.

Segundo ele, enquanto a Avaliação Ecossistêmica do Milênio mostrou em que ponto está a sociedade em relação ao uso dos recursos do planeta, há ainda uma enorme quantidade de pesquisa que precisa ser feita, especialmente nas áreas de conhecimento que não foram devidamente analisadas no relatório de 2005.

O ISCU, ao lado da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e da Universidade das Nações Unidas, coordenará os trabalhos para instituir o novo programa, denominado Mudanças Ecossistêmicas e Bem-Estar Humano.

Para os proponentes da iniciativa, as pesquisas precisam começar imediatamente de modo a poder integrar a segunda Avaliação Ecossistêmica do Milênio, que deverá ser feita nos próximos sete anos.

“O novo programa atrairá também pessoas de fora da comunidade científica para ajudar a definir a agenda e suas prioridades. O programa estará bem posicionado para responder a questões relevantes de políticas públicas de modo que as mudanças possam ser feitas antes que seja tarde demais”, disse Mooney.

De acordo com ele, o programa interligará as ciências naturais e sociais com serviços do ecossistema, o subconjunto de funções do ecossistema que são úteis aos seres humanos. Também integrará os três pilares do desenvolvimento sustentável: ambiental, econômico e social.

(Agência Fapesp, 23/10)