Notícia

ComputerWorld online

Demi Getschko: web será sem fio e onipresente

Publicado em 09 junho 2005

Por Camila Fusco, IDG Now!

Demi Getschko é um dos engenheiros que trouxeram a rede mundial de computadores para o Brasil. Ele estava presente na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), em janeiro de 1991, quando foi feita a primeira conexão Web do Brasil. Atualmente, Geschko é diretor de tecnologia da Agência Estado e conselheiro do Comitê Gestor da Internet no Brasil.
Leia os principais trechos da entrevista que Getschko concedeu ao IDG Now!

IDG Now!: O sr. acha que a internet trilhou o caminho que o Comitê Gestor imaginava na sua criação?
Demi Getschko: Se você vai analisar qual é a meta estreita do Comitê Gestor devemos pensar que era reforçar o domínio .br e registrar o maior número de endereços IP no Brasil. O domínio .br é um dos mais populares do mundo e ocupa a oitava colocação no ranking, atrás apenas de países desenvolvidos.

IDG Now!: Nestes dez anos qual o maior benefício trazido pela internet ao brasileiro?
Getschko: Em geral, pensamos que a tecnologia cria fossos. Não digo que não crie, mas, se fomos olhar a internet temos a impressão de que as diferenças são menores. Uma criança brasileira com acesso à rede discute os mesmos assuntos que uma criança na Europa.

IDG Now!: O maior problema da internet atualmente é a segurança?
Getschko: A segurança realmente é um dos maiores problemas. E a maior necessidade é a de aculturação. Precisam-se criar formas de inibir e coibir desde coisas como spam até fraudes.

IDG Now!: Movimentos como o Internet Segura ajudam nessa missão?
Getschko: Já é um caminho para a aculturação dos usuários e ajuda na criação de ilhas seguras, tornando a coletividade mais segura.

IDG Now!: Os brasileiros já são os campeões mundiais de navegação residencial, mas a web ainda é pouco disseminada entre as classes C e D. O senhor acredita que o PC Conectado é uma solução para essa diferença?
Getschko: A barreira atual é essa, falta de equipamento de acesso à população de baixa renda. O nosso problema nem é tanto de estrutura, mas falta de equipamento. O projeto vem com certeza beneficiar essa população.
(Nota da redação: O PC Conectado é um projeto do governo federal, cujo objetivo é reduzir impostos para tornar o computador mais barato para a população de baixa renda).

IDG Now!: Os provedores de acesso gratuito são um bem ou mal para o desenvolvimento do negócio Web no Brasil? Esse modelo deve ser mantido?
Getschko: Se o negócio existe, ninguém está perdendo com ele. Ninguém seria tolo ao ponto de entrar num negócio que não dá lucro. O negócio da internet não é acesso, não é compra de domínio, mas sim o que é feito sobre isso. Podemos trabalhar, no futuro, como o modelo de TV grátis e paga, uma não acabou com a outra. Existem soluções que podem sustentá-las.

IDG Now!: O que o senhor imagina para a internet os próximos dez anos?
Getschko: O que eu vejo é a ubiqüidade da rede de forma convergente, existindo em todo lugar, cada vez menos perceptível, com a estrutura sem fio prevalecendo.