Notícia

O Estado do Paraná

Déficit de polinização nas florestas

Publicado em 22 janeiro 2006

São Paulo - Agência FAPESP
Pássaros, abelhas e demais insetos polinizadores estão fazendo menos o seu trabalho de contribuir para a reprodução das espécies florísticas. Isso, claro, por sofrerem pressão ambiental em praticamente todo o mundo. Estudo publicado nesta terça-feira (17/1), pela revista norte-americana Proceedings of the National Academy of Sciences, mostra que existe um déficit de polinização nas grandes florestas do planeta. A análise, que deixou de fora apenas a Antártica, mostra problemas em florestas com grande biodiversidade, com as da América do Sul, do sudeste da Ásia e da África.
Para chegar aos resultados, os cientistas, de universidades da Austrália, do Canadá e dos Estados Unidos, fizeram uma análise cruzada de 482 trabalhos de campo. No total, foram compiladas pesquisas realizadas com 241 espécies que produzem flores na natureza.
O grande indicador detectado pela pesquisa foi a diminuição na quantidade da produção de frutos por parte das plantas que não receberam a polinização. Os autores agora tentam descobrir se esse é um processo mais recente ou se começou há pelo menos duas décadas.
Para testar a hipótese da diminuição do processo de polinização, os pesquisadores fizeram o cruzamento manual de algumas das espécies estudadas. Todas elas produziram os frutos de forma normal. A preocupação é grande, dizem os autores do estudo. Como, além desse problema, as florestas sofrem cada vez mais com processos de desmatamento, a tendência para que extinções em massa ocorram se torna maior.
O artigo Pollination decays in biodiversity hotspots, de Jana C. Vamosi, Tiffany M. Knight, Janette A. Steets, Susan J. Mazer, Martin Burd e Tia-Lynn Ashman, pode ser lido no site da PNAS, em www.pnas.org.