Notícia

Folha do ABC online

Deficiência de hormônio tireoidiano compromete o funcionamento renal

Publicado em 17 março 2016

Um estudo publicado por cientistas brasileiros na revista Thyroid apresentou, pela primeira vez, evidências diretas de que a deficiência de hormônios tireoidianos prejudica o funcionamento renal. Ao suspender temporariamente a terapia de reposição hormonal de pacientes que tiveram a glândula retirada em decorrência de um câncer, os pesquisadores observaram prejuízo médio de 18% no ritmo de filtração glomerular – primeira etapa do processo de formação da urina nos rins.

O estudo foi feito com 28 pacientes submetidos a cirurgia para retirada da tireoide após o diagnóstico de câncer. Nenhum deles tinha histórico de disfunção renal e todos teriam de passar por um tratamento complementar com iodo-131, substância radioativa, para reduzir o risco de recidiva e de metástase. Dados mostraram que, nos pacientes que tiveram a reposição hormonal suspensa, a taxa de excreção de creatinina na urina caiu 22%. Também foi observado aumento das concentrações de creatinina no sangue.

Na avaliação de Sapienza, o estudo deixa claro que o hipotireoidismo, mesmo em uma apresentação aguda, leva a significativa redução da filtração glomerular, o que pode ter implicação na farmacocinética de outras drogas e agravar a situação de pacientes que já tenham doença renal prévia. A pesquisa foi realizada com apoio da FAPESP durante o doutorado de George Barberio Coura Filho, sob orientação do professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) Marcelo Sapienza, vinculado ao Instituto de Radiologia (InRad-USP).