Notícia

Gazeta do Povo online

De volta ao Megatério do Erico

Publicado em 21 novembro 2008

Está lá, em Fantoches e Outros Contos e Artigos, de Erico Verissimo, Editôra (isso mesmo, com chapeuzinho no o) Globo – Rio, Porto Alegre e São Paulo, edição de 1956. O título do que o autor classifica de “pecinha”: A Bordo do Megatério. Uma farsa que expressa parabolicamente (sic) sua opinião sôbre (olha o velho chapeuzinho de novo aí, gente!) a democracia.

Estamos em uma grande aeronave – inspirada no Graf Zeppelin, que passava pelo Brasil, em “reide” transcontinental. A maioria dos passageiros decide mudar o curso. Diante da resistência do comandante, conspira e toma de assalto o controle. Festa. A seguir, o dirigível enfrenta uma tempestade. E agora?

Libertam o comandante, mas já é muito tarde. O imediato já tinha anunciado:

– O Megatério vai à gaita!

Ao que, comemorando, completa o comandante:

– Viva a democracia!

Erico Verissimo explica que a peça resultou de “um arrufo que tive com a democracia”, ao admitir seu individualismo, “a par de minha simpatia pelo socialismo”.

E não é que Natureza Morta chegou da mansão da Vila Piroquinha sobraçando o livro do Erico e, junto, uma matéria da revista Pesquisa, da Fapesp?

Pois é, como diz o Beronha, Natureza mata a cobra e mostra a brochura, ou melhor, o livro.

– Democracia faz parte das coisas sacrossantas que só passam a ter a devida importância quando escasseiam ou nos são surrupiadas.

A matéria, assinada por Carlos Haag, aborda o Projeto Temático “A desconfiança dos cidadãos nas instituições democráticas”, coordenado pelos cientistas políticos José Álvaro Moisés (USP) e Rachel Meneguello (Unicamp).

Transcrevo: “É cada vez mais raro encontrar quem suspire de saudades de um ‘governo militar forte’, mas é igualmente complexo ‘achar quem confie em políticos, juízes, policiais e outros representantes do Estado’”.

Moisés comenta que “a democracia brasileira está relativamente consolidada, mas ela enfrenta um paradoxo: apesar do apoio majoritário ao regime democrático, quase dois terços dos brasileiros não confiam em parlamentos, partidos, governos, tribunais de justiça, polícia e serviços de saúde e educação”.

Como ficamos? Rachel com a palavra. “Dados históricos sugerem que os brasileiros aceitam o modelo de democracia de Churchill: uma preferência crescente pelo regime democrático é acompanhada por uma desconfiança nas instituições representativas, o que leva a uma falta geral de interesse e a um engajamento reduzido na política convencional”.

Entre 1989, a primeira eleição direta, e 2006, a última, a valorização da democracia cresceu 21% (de 43,6% para 64,8%) entre a população, ao mesmo tempo em que caía em mais de 13% (de 38,6% para 25,5%) o total de cidadãos incapazes de definir o que é democracia.

“As pessoas aderem à democracia, mas não confiam, na prática, que suas instituições possam ou queiram mudar a vida delas”, ensina Moisés.

Para ele, “certa dose de desconfiança é aceitável e pode ser um sinal sadio de distanciamento dos cidadãos de uma dimensão da vida social sobre a qual eles têm pouco controle”.