Notícia

Musicaria Brasil

CURIOSIDADES

Publicado em 30 setembro 2018

Musicaria Brasil

1 – RIO/ NOVA YORK/ BRASÍLIA

4 – RENATO MANFREDINI JÚNIOR… RUSSO

5 – AMORES

Renato revelou que nutria um amor platônico pelo companheiro de banda Dado Villa-Lobos, a quem traduzia como “um raro exemplo de beleza física aliada a sex appeal”. Seu relacionamento mais longo, porém, durou apenas seis meses e foi como um rapaz chamado Robert Scott Hickmon. Os dois se conheceram em Nova York, em novembro de 1989, e chegaram a morar juntos durante pouco tempo em 1990.

6 – HERDEIRO

7 – ÁLBUM INTEIRO EM ITALIANO

Seu segundo álbum solo, chamado “Equilíbrio Distante” é composto por 13 músicas em italiano, das quais quatro são covers da cantora Laura Pausini. O álbum, lançado em 1995, contém a faixa “Strani Amori”, último vídeo em que Renato Russo aparece.

8 – OVERDOSES

Renato quase morreu de overdose três vezes: duas vezes no Rio de Janeiro e uma vez em Brasília. Esta última, o cantor considera a pior de todas: estava com um parente e foi parar no hospital em estado grave após três dias de uso contínuo de cocaína sem se alimentar. Foi quando abandonou a cocaína, mas se concentrou no álcool.

9 – REHAB

Renato Russo passou 29 dias internado na clínica na clínica Vila Serena, no Rio, entre abril e maio de 1993. O cantor buscava tratar o vício tanto em drogas como cocaína e heroína quanto no álcool. Nesse período, o cantor registrava o dia a dia e escrevia sobre a vida – os rabiscos viraram um livro chamado “Só por hoje e para sempre – Diário do recomeço”.

11- LEGADO NA DRAMATURGIA

A história de Renato Russo e suas músicas inspiraram, pelo menos, três filmes e cinco peças de teatro. O filme “Somos Tão Jovens” é uma obra biográfica, enquanto “Faroeste Caboclo” e “Pais e Filhos” usam as canções homônimas como ponto de partida. No teatro, “O Santo Cristo”, “Aonde Está Você Agora”, “Um Certo Faroeste Caboclo”, “R-Evolução Urbana – A Lenda do Rock” e “Renato Russo – A Peça” imortalizam o legado de Renato nos palcos.

12 – HOLOGRAMA

Mesmo após a morte, em 11 de outubro de 1996, Renato Russo voltou a subir no palco sob forma de holograma. Em 2013, um grande show em tributo ao cantor foi feito no estádio Mané Garrincha, em Brasília. A apresentação, que utilizava tecnologia ainda inédita no Brasil, foi idealizada por Giuliano Manfredini, filho do cantor.

Nelson cavaquinho

Curiosidades Pacto de compositores

Nelson Cavaquinho e seu mais importante parceiro, Guilherme de Brito, se conheceram na década de 50 e fizeram um pacto de só comporem juntos. Parceria firme de duas personalidades bem diferentes. Nelson era boêmio, daqueles de passar dias na farra. Guilherme era o oposto, calmo e trabalhador regrado, foi funcionário da Casa Edison por 30 anos.

O violão de Nelson

Nelson Cavaquinho tinha uma forma única e inimitável de tocar violão. Usando apenas os dedos polegar e indicador, ele beliscava as cordas do instrumento, produzindo um som completamente diferente do usual.

Histórias da boemia

Durante sua passagem pela Polícia Militar, em uma noite de farra na Mangueira, onde fazia a ronda, Nelson perdeu o próprio cavalo. Ao voltar ao quartel, o cavalo estava lá comendo sua ração. "E não é que o danado tava rindo de mim", contou o compositor. As farras também lhe trouxeram tristezas. Uma vez, depois de passar três dias fora de casa, na década de 40, ao voltar descobriu que sua mãe havia morrido e já tinha sido enterrada.

Amor marginal

Um dos amores de Nelson se chamava Lígia. Era uma sem teto que dormia na Praça Tiradentes, que ele sempre frequentava no Centro do Rio. Os dois bebiam juntos no banco da praça e acabavam dormindo ali mesmo. Nelson tinha o nome Lígia tatuado no ombro direito, motivo do samba "Tatuagem".

Comércio musical

O hábito de vender sambas para sobreviver chegou a desagradar alguns parceiros. Foi o caso de Cartola, que desfez a parceria e manteve a amizade. Outro parceiro, Milton Amaral, contou que uma vez fizeram um samba juntos e, dias depois, quando foi à editora para assinar o contrato, viu que já era o 16º autor da música. Ou seja, Nelson já havia vendido o samba pelo menos 14 vezes.

Noel

Curiosidades Música e Medicina

Noel Rosa cursou, em 1931, um ano da faculdade de Medicina, beneficiado por um decreto que permitiu a entrada de estudantes na faculdade. Por influência do curso, compôs a música "Coração", cujos versos dizem: "Coração, grande órgão propulsor/ transformador do sangue venoso em arterial; coração, não és sentimental; mas entretanto dizem que és o cofre da paixão."

Restrições físicas

Por causa do defeito no maxilar, resultado de seu parto complicado, geralmente não comia em público. O desencontro das arcadas dentárias e a articulação insuficiente do queixo forçavam Noel Rosa a preferir alimentos líquidos, pouco nutritivos. A bebida e o cigarro também aceleraram o processo que resultou em sua morte precoce.

Tratamentos fracassados

Em 1935, viajou para tratar dos pulmões lesionados na casa de parentes em Belo Horizonte. O tratamento foi muito curto porque logo passou a frequentar as rodas boêmias da capital mineira. O mesmo teria acontecido em Nova Friburgo (RJ), para onde, em 1936, também viajou com o objetivo de se tratar. Barra do Piraí, no Estado do Rio, foi outro destino para tratamento, mas já era tarde.

Lamartin Babo

Curiosidades Música no trabalho

Após a morte do pai, a família passou por dificuldades financeiras. Lalá teve que abdicar da Escola Politécnica para trabalhar como office-boy da Light. Quatro anos depois, foi para a Companhia Internacional de Seguros, mas logo foi despedido porque seu patrão o viu batucando numa mesa, em horário de trabalho, e também mordendo a língua, cacoete que fazia quando estava compondo. O artista também chegou a dar aulas de dança, à noite, nos clubes Tuna Comercial e Ginástico Português, para complementar a renda.

Copidesque

Se especializou em copidescar canções mal feitas e mal arranjadas, transformando-as em grandes sucessos. É o caso de "No Rancho Fundo" e "Uma Andorinha não Faz Verão". O sucesso "O Teu Cabelo não Nega" surgiu assim. Escrita pelos irmãos João e Raul Valença, Lalá alterou a letra e alguns arranjos, além de criar a inesquecível introdução instrumental da obra.

Cartola

Curiosidades Carnavalesco

Literatura

Quando sua carreira como compositor e violonista começava a deslanchar, por volta de 1934, Cartola, cujas letras ficavam ótimas quando compunha em parceria com Carlos Cachaça, percebeu que precisava aprimorar a letra de suas músicas. Passou a ler poemas e romances; teve influência de Castro Alves e Gonçalves Dias. Leu Olavo Bilac e um pouco de Camões.

Vida dura

Apesar de ser interpretado por nomes de peso, como Carmem Miranda e ter vendido algumas de suas composições, Cartola não acumulou riquezas em vida. Após ganhar o concurso de compositores organizado pelo departamento de turismo do Rio de Janeiro, empenhou na Caixa Econômica a medalha de ouro que conquistou, pra aliviar as agruras econômicas da família.

Vícios

Em entrevista ao Jornal Última Hora, Cartola declarou que seus vícios eram "fumar, beber, tocar violão e correr atrás de mulher". Preferia as mulheres mais velhas "pra evitar filho e porque tem mais juízo". Boêmio, chegava a beber 2 litros de cachaça por dia.

Angenor ou Agenor?

Até os 55 anos de idade, Cartola acreditava se chamar Agenor. Foi em 1964, quando decidiu casar-se com Dona Zica para oficializar a relação de 12 anos, que descobriu em sua certidão de nascimento que seu nome de registro era Angenor. O nome em comum fez com que mais tarde o sambista fosse uma das influências de Cazuza, líder do Barão Vermelho, batizado como Agenor.

Pixinguinha

Curiosidades

Como se não bastasse os apelidos que recebeu na infância, Pixinguinha também carregou por um tempo a alcunha de "Carne Assada". Dado por seus familiares quando foi pego de surpresa saboreando um pedaço de carne antes do almoço que seria oferecido a convidados.

Seu pai, um de seus maiores incentivadores de sua carreira, desembolsou 600 mil réis para presenteá-lo com uma flauta italiana, toda em prata, da marca Balacina Biloro. Anos depois de ter sido roubada, Pixinguinha ainda se lembrava do seu número de série: 2424.

Durante o Carnaval de 1919, o samba "Já te Digo (China)", composto por Pixinguinha e apresentado pelo grupo Caxangá, foi uma resposta a marcha "Quem são Eles" composta por Sinhô, que zombava do tamanho dos pés de China.

Já o choro "Carinhoso" (1928) se tornou uma das maiores composições de toda sua obra, tendo infinitas regravações ao longo dos anos. Com letra de João de Barro somente em 1937, "Carinhoso" gerou de inicio duras criticas a Pixiguinha. Na época, um crítico afirmou que o compositor estava sendo influenciado pelos ritmos e melodias do jazz. Mais pra frente, nos anos 70, a composição volta à tona com uma regravação que se torna tema da novela global "Carinhoso".

Apesar de seu amigo Donga brincar dizendo que se Pixinguinha aprendesse teoria musical nunca mais seria o mesmo, o compositor se formou em 1933 no Instituto Nacional de Música.

Uma das passagens mais embaraçosas de sua vida, foi quando sua mulher foi internada. Pixinguinha passou por maus bocados, sentido dores no peito, e também precisou ser hospitalizado as pressas. O detalhe é que o compositor ficou no mesmo hospital que sua mulher. No entanto, para não abalar ainda mais a saúde de D. Beti, Pixinguinha resolveu manter segredo sobre sua internação. Assim todos os dias, no horário da visita, ele deixava o seu leito vestindo terno e chapéu e seguia para visitar a esposa. Depois, voltava para o quarto e dava continuidade ao seu tratamento.

Certa madrugada, quando voltava de uma apresentação, Pixinguinha foi cercado por assaltantes. Durante o assalto, os ladrões reconheceram o músico e devolveram seu dinheiro e flauta. Ainda como pedido de desculpas, resolveram escoltá-lo até sua casa. No entanto, no meio do caminho, desta vez não havia uma pedra e, sim, um botequim. O episódio terminou em samba, cerveja e cachaça.

Uma das homenagens que recebeu ao longo da vida, foi a de Negrão de Lima, prefeito do antigo Distrito Federal, no Rio de Janeiro, que publicou decreto concedendo à rua onde o compositor morava o nome de Pixinguinha.

Já o Dia do Choro, comemorado em 23 de abril, é uma homenagem ao dia do nascimento do compositor, arranjador, regente e instrumentista Pixinguinha.

Ataufo Alves

Curiosidades Marca Registrada

Coisas do destino

De época

Vencedora de concursos carnavalescos, o samba "Oh, Seu Oscar" conta a história de um homem que foi deixado pela mulher. Nesse período, o nome "Oscar" era uma gíria usada pelos freqüentadores do Café Nice que significava homem tolo, ingênuo, o que hoje é conhecido como "corno".

Empreendimento

Depois de uma viagem para divulgar a música brasileira no exterior, Ataulfo resolve criar a ATA (Ataulfo Alves Edições) e passa a editar suas próprias músicas.

Dito popular

Lupicínio Rodrigues

Curiosidades Retratos da realidade

Boemia e farras

Empreendedorismo

Em 1947, Lupicínio se aposentou da Faculdade de Direito de Porto Alegre por motivo de doença. Logo abriu sua primeira churrascaria, chamada Jardim da Saudade ou, como era mais conhecida, Galpão do Lupi. O mais famoso de seus estabelecimentos foi o "Batelão", que virou ponto turístico em Porto Alegre.

Polêmica nos direitos autorais

Adoniran

Curiosidades Rubi o que?

Menos um

Safo

Quando se mudou para Santo André, em meio às diversas profissões que exerceu, foi também garçom na casa do então ministro da Guerra Pandiá Calógeras. Ao ir até a residência, foi questionado pela filha de Pandiá se já havia trabalhado como garçom em algum lugar. Adoniran mentiu. "Já sim senhora, mas já faz tanto tempo que já esqueci como é".

1º Lugar

Quando ganhou o concurso organizado pela Prefeitura de São Paulo com a marchinha carnavalesca "Dona Boa", em parceria com J. Aimberê e interpretada por Januário de Oliveira, Adoniram recebeu 300 mil réis do total de 500 para o vencedor. Segundo o compositor, "cerveja vai, cerveja vem" quase acabou ficando sem o dinheiro.

Língua Portuguesa

Adoniran tinha plena consciência de que suas músicas não seguiam uma linha gramatical correta. No entanto, isso não era nem de longe sua maior preocupação. "Pra escrevê uma boa letra de samba a gente tem que sê em primeiro lugá anarfabeto", dizia.

Nem tudo são flores

Dolores Duran

Curisidades Idiomas

Mesmo sem fluência em outros idiomas, Dolores Duran saía-se tão bem em suas performances que, ao assistir a um show na boate Baccarat, no Rio, a cantora norte-americana Ella Fitzgerald declarou que havia visto a melhor versão para "My Funny Valentine", clássico da música popular de seu país.

Homenagens póstumas

O reconhecimento de seu talento como compositora, só veio depois de sua morte. Dolores teve músicas gravadas por grandes intérpretes da MPB, com destaque para Milton Nascimento ("A noite do meu bem"); Tito Madi ("Ternura Antiga"); Elis Regina e Gal Costa ("Estrada do Sol'); Maysa ("Por Causa de Você"); Lúcio Alves, que gravou o disco "Dolores Duran - 1960"; e até Frank Sinatra, que gravou em "Sinatra & Company", em 1971, "Don't Ever Go Away", versão em inglês para "Por Causa de Você". Em 1994, Nana Caymmi gravou um CD só com suas obras, intitulado "A Noite do Meu Bem - As Canções de Dolores Duran".

Pioneira

Para o pesquisador Thiago Marques Luiz, Dolores foi "a primeira compositora popular de projeção nacional". "A música de Dolores Duran é atemporal. Representa um momento de boemia intensa e criativa e um estilo que nunca será esquecido ou ficará ultrapassado, porque as suas músicas tratam de amor de uma maneira delicada, mesmo que às vezes exagerada ou dolorida demais", afirma.

Percussora

Ary Barroso

Curiosidades Boicote artístico

Sua defesa dos direitos autorais dos compositores lhe rendeu um boicote por parte da Ordem dos Músicos do Brasil, que ameaçou proibir a execução de suas composições. Barroso era membro, na época, de sociedades arrecadadoras, como a UBC e SBACEM.

Amor ao futebol

Ressentimento

Em 1940, "Aquarela do Brasil" não chegou a ficar entre as finalistas de um concurso de sambas para o Carnaval, cujo júri era presido por Heitor Villa Lobos. Por causa disso, Ary Barroso cortou relações com o maestro, só retomadas 15 anos depois, quando os dois receberam a Comanda Nacional do Mérito.

Caloura famosa

O programa "Calouros em Desfile" guarda momentos históricos. Como no dia em que Elza Soares foi lá se apresentar. Ary perguntou, vendo a moça magrinha e com um vestido emprestado maior que ela: "Mas de que planeta você veio?", a futura cantora respondeu: "Do planeta fome, seu Ary". Saiu de lá aplaudida e elogiada pelo apresentador.

Gonzagão

Curiosidades Primeiro Apelido

Por ter um rosto arredondado e um largo sorriso, Luiz Gonzaga ganhou de Dino, um violista da época, o apelido de Lua - que foi amplamente divulgado por César Alencar e Paulo Gracindo.

Da cabeça aos pés

Foi vendo uma apresentação do catarinense Pedro Raimundo, que se vestia com bombachas, que Gonzagão passou a aderir trajes nordestinos em suas apresentações. Sua marca era o chapéu de couro.

Teste de DNA

Dentre as diversas biografias de Luiz Gonzaga, existe uma lacuna sobre a paternidade de Luiz Gonzaga do Nascimento Junior, o Gonzaguinha. Muitos afirmam que quando o compositor conheceu a cantora Odáleia Guedes, ela já tinha o menino e o músico apenas o registrou com seu nome.

Outros descartam essa hipótese, analisando a clara imagem do homem nordestino, cheio de padrões conservadores, de que dificilmente assumiria um filho de outro e ainda lhe daria o sobrenome. Gonzaguinha faleceu tragicamente num acidente de carro. Apesar das suspeitas, os herdeiros não fizeram questão de realizar um exame de DNA.

No Cinema

Em memória

A música "Morte do Vaqueiro" foi feita em homenagem ao primo de Luiz Gonzaga, Raimundo Jacó, que era vaqueiro e foi assassinado em 1954. A canção deu origem a tradicional Missa do Vaqueiro, que acontece todo ano em Pernambuco.

Dorival caymmi

Curiosidades Versátil

Dorival Caymmi gravou cerca de 20 discos em 60 anos de carreira. Em vida escreveu mais de 100 composições, que foram gravadas por ele ou regravadas por dezenas de intérpretes.

Homenagem

O desfile daquele ano garantiu o primeiro lugar a escola. O samba, que tinha o verso "tem xinxim e acarajé, tamborim e samba no pé", se consagrou como um dos clássicos do Carnaval.

Dois anos antes de se mudar, em 1935, quando começou a cantar na Radio Clube da Bahia, passou num concurso para escrivão da coletora estadual. Nunca foi nomeado. Naquele ano, prestou o serviço militar. Quase Irmãos

Caymmi era amigo do escritor baiano Jorge Amado, morto em 2001. Como eram parecidos, os dois costumavam ser confundidos um com o outro por fãs. Ambos compuseram juntos a música "É Doce Morrer no Mar", composta sobre versos do romance "Mar Morto".

Global

Sua música "Sábado em Copacabana", também foi tema da abertura da novela "Paraíso Tropical", de Gilberto Braga. A trama consagrou o ator baiano Wagner Moura, que interpretava o vilão Olavo.

Herivelton

Curiosidades Inovações

Herivelto Martins foi o responsável por transformar o apito em instrumento de samba e organizou um escola de samba estilizada para o rádio brasileiro. Também quando fazia parte do coro do Conjunto Tupi, introduziu o breque nas gravações. O dono da gravadora gostou tanto que, em pouco tempo, Herivelto foi nomeado diretor do coro.

Início difícil

Quando chegou ao Rio de Janeiro, com 1 conto e 200 réis, dividia o quarto com mais seis rapazes, além do irmão Hedelacy. Chegou a vender o relógio Roskoff para sobreviver. Certa vez contou: "Éramos oito naquele quartinho de quatro metros quadrados. Só melhorou com a Revolução de 32: morreram quatro." Nessa época, com dinheiro minguado, comia todos os dias o famoso "Feijão a Camões", no bar do seu Machado. O prato consistia em feijão preto com uma colher de arroz no meio.

Mulheres

Orson Wells

Em 1942, foi designado para acompanhar o cineasta norte-americano Orson Welles, que viajou ao Rio para fazer um filme que nunca foi finalizado. O compositor levou Welles aos mais importantes redutos do samba e da boemia no Rio. O próprio compositor contou que o cineasta só levantava às 2h da tarde por causa das farras.

Jackson do Pandeiro

Curiosidades Produtivo

Com uma carreira extensa e uma atividade musical muito intensa, Jackson do Pandeiro chegou a gravar mais de 400 composições e dezenas de discos.

Ritmo de festa

Jackson cantava diversos gêneros musicais como baião, coco, samba-coco, rojão e marchinhas de Carnaval. O cantor foi um dos responsáveis por disseminar a cultura nordestina pelo resto do país. "A jardineira", e "Boi da Cara Preta" foram algumas das marchinhas gravadas por ele.

Gol de Placa

Dada sua importância no meio musical, seus biógrafos chegaram a compará-lo com um astro do futebol. Para a música popular, se Luiz Gonzaga era uma espécie de Pelé, Jackson do Pandeiro seria um Garrincha.

Ciranda de Pedra

No auge da Tropicália, o cantor Gilberto Gil regravou "Chiclete com Banana", que ficaria conhecida na voz de Jackson do Pandeiro. Em 2000, a música foi novamente regravada por Gil e Marjorie Estiano para a trilha sonora da novela Ciranda de Pedra, da TV Globo.

Vanzolinni

Curiosidades Cotidiano nas músicas

Gravação de sucesso

"Ronda" foi gravada por Inezita Barroso, em 1951, de uma forma curiosa. Ele e a mulher, a cantora Ana Bernardo, acompanhavam Inezita na gravação de seu primeiro disco no Rio, "Moda de Pinga". Ela só tinha música para o lado A e precisava de outra para o lado B, com autorização imediata do compositor. Vanzolini, que estava presente, lhe concedeu "Ronda".

O lado cientista

Paulo Vanzolini é, para muitos, o maior especialista do País num ramo da zoologia, a Herpetologia, que estuda os répteis. Também participou da criação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). É co-autor da chamada Teoria dos Refúgios, desenvolvida em suas expedições na Amazônia.

SILVIO CALDAS

Curiosidades Profissões

Mais um

Certa vez, quando cantou "Faceira", de Ary Barroso, em uma apresentação no teatro Recreio, no centro do Rio, agradou tanto a plateia que foi aplaudido de pé. Teve que cantar o samba oito vezes.

Dívidas

Sonoridade

Violeiro

Silvio Caldas era amigo de Alcebíades Monjardim, o pai da cantora Maysa. Foi ele quem a ensinou a tocar violão. Ambos brigaram porque Silvio achava loucura Alcebíades permitir que a filha ingressasse na carreira artística.

Chiquinha Gonzaga

Curiosidades Guerra do Paraguai

Preconceito na música

A atuação de uma mulher na música era tão rejeitada pela sociedade da época que muitas pessoas não acreditavam que as composições de Chiquinha eram realmente feitas por ela. Mesmo declarada "morta" pelos pais, sua vida artística os incomodou pelo resto da vida. Não aceitavam o sobrenome Gonzaga sendo publicado como autor das músicas compostas pela filha.

Relacionamento em segredo

O último marido de Chiquinha passou assinar seu nome como João Gonzaga, pois era apresentado como filho para evitar reações do preconceituosas por causa da diferença de idade. Suas filhas Maria e Alice, que exigiam a ajuda financeira de Chiquinha, chegaram a chantageá-la por causa do relacionamento. Após a morte da compositora, João chegou a conseguir um registro de filho dela com o primeiro marido Jacinto, em 1939.

Polêmica no Palácio

Jacob do bandolim

Curiosidades Experiência na TV

Saraus concorridos

Resgate musical

Seu arquivo pessoal é composto por milhares de peças, entre discos, partituras, fotos, filmes, microfilmes de partituras e matérias jornalísticas, que preservam a história da música popular brasileira. Em 1974, o Museu da Imagem e do Som (MIS) incorporou o arquivo de Jacob ao seu acervo.

Problemas de saúde

O compositor teve dois infartos antes do terceiro e último, no dia 13 de agosto de 1969. Morreu nos braços da esposa Adylia, logo depois de ter chegado de uma visita que fez a Pixinguinha, para acertar a gravação de um disco. A saúde debilitada dos últimos anos era consequência dos seis maços de cigarro que chegava a fumar por dia.

Ernesto Nazareth

Curiosidades Deficiência e loucura

As perdas da audição e da esposa, a partir do fim da década de 20, foram decisivas para os problemas mentais que passou a ter. A deficiência auditiva já datava da infância, devido a uma queda que sofreu, atingindo a cabeça. Em seus últimos anos, tocava piano com o ouvido bem perto do teclado.

Recordes musicais

Ernesto Nazareth foi o compositor que mais criou tangos brasileiros. É também o segundo compositor erudito brasileiro mais tocado no país e no exterior, só perdendo para o maestro Heitor Villa-Lobos. Ele sempre rejeitou a afirmação de que seus tangos fossem os precursores do maxixe.

Sucesso no exterior

Ismael Silva

Curiosidades Fãs de Peso

Por ti tudo chora

Entre os muitos parceiros musicais que teria ao longo da vida, Nilton Bastos foi o primeiro a dividir com o compositor suas autorias. Após sua morte, aos 32 anos de tuberculose, Ismael compôs o samba "Adeus" em sua homenagem.

Sucesso na voz dos brancos

Francisco Alves era o cantor que se auto-intitulava parceiro e compositor de Ismael, sem ao menos ter escrito um verso ao seu lado. Durante um de seus shows, o público pediu a presença de Ismael no palco. Ao subir, o compositor foi apresentado por Francisco como "este é o Ismael Silva, o preto de alma branca".

Arco-íris no samba

Certa vez, o escritor Luis Antônio Giron, na obra "Mário Reis: o fino do samba", escreveu que "Ismael destacava-se dos outros, pois se vestia melhor, usava jóias e era homossexual assumido". Durante toda sua vida, o único romance do compositor que veio a tona foi com uma passista chamada Diva Lopes Nascimento, em 1936, com quem teve uma filha que nunca assumiu.

Pedido negado

Em 1965, sem dinheiro para pagar o ingresso para ver os desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro, Ismael escreve ao jornal Correio da Manhã pedindo para que o secretário de turismo lhe desse um ingresso. Sem sucesso. Assim, decepcionado, o compositor escreve para o mesmo jornal afirmando que "é injusto que a criação [escolhas de samba] receba auxílio do governo enquanto o criador cai no esquecimento".

Em 1973, a Secretaria de Turismo resolve conceder dois ingressos a cadeiras cativas. No ano seguinte, para a frustração de Ismael, o compositor foi barrado e impedido de assistir ao desfile. Em 1977, como pedido de desculpas, o compositor recebe os ingressos em sua casa. No entanto, seu lugar na cadeira cativa havia se mudado para as arquibancadas.

Assis Valente

Curiosidades Entre próteses e desenhos

Passos para a morte

As dívidas agravaram a situação financeira do compositor. Após a tentativa de suicídio no Corcovado, tentou cortar os pulsos. A terceira e última tentativa de se matar ocorreu no dia 10 de março de 1958. Atolado em dívidas, foi à SBACEM (Sociedade Brasileira de Autores, Compositores e Escritores de Música) verificar se havia algum dinheiro. Depois, comunicou sua morte ao editor Vicente Vitale e ao embaixador Pascoal Carlos Magno. Por volta das 18h daquele dia, num banco da Praia do Russel, morreu depois de tomar formicida com guaraná.

Cansado da vida

Após sua morte, nos bolsos da calça que vestia foi encontrada uma carta para a polícia que dizia: "Vou parar de escrever, pois estou chorando de saudade de todos e de tudo". Também pediu a Ary Barroso para pagar os aluguéis atrasados. Na mesma carta afirmou que estava muito cansado das injustiças e enjoado de tudo.

Geraldo Pereira

Curiosidades Versão de Satã

Trabalho e música

Mania de brigão

Em 1954, quando participou de um show em comemoração ao quarto centenário da Cidade de São Paulo, foi protagonista de mais uma briga. Ao lado dos músicos Buci Moreira, Raul Marques, Arnô Carnegal, Barão, Geraldo Pereira liderou um quebra-quebra na boate Esplanada porque o empresário que os contratou não queria pagar o que era devido.

Saúde debilitada

Pouco antes de morrer, o compositor já vinha sofrendo com problemas de saúde. Perdeu muito peso e, durante sua festa de aniversário, em 1955, passou mal com crises de vômito e suores. Também já apresentava problemas no fígado e estava evacuando sangue. O laudo do Hospital dos Servidores afirma que ele morreu por causa de uma hemorragia intestinal.

Casamento e amor

Casou, em 1938, com Eulíria Salustiano, a Nininha. Teve um filho com ela, Celso Salustiano. No entanto, seu grande amor foi a mulata Isabel Mendes da Silva, que trabalhava como pastora em programas de rádio. Viveu com ela até sua morte precoce. Para Isabel dedicou alguns de seus sambas como "Escurinha".

O lado ator

Geraldo Pereira chegou a fazer pontas como ator em filmes da época. O primeiro foi em 1942, gravado pelo diretor norte-americano Orson Wells no Brasil, que nunca foi finalizado. Depois participou de "Berlim na Batucada", dirigido por Luiz de Barros, em 1944. E, em 1952, atuou em "O Rei do Samba", também com direção de Luiz de Barros.

Waldir Azevedo

Curiosidade Sonho de ser piloto

Face samba-canção

Composição referência

O choro "Brasileirinho" já foi utilizado em campanha política; comerciais de TV para creme dental, refrigerante e motocicleta; e em campanha publicitária da Petrobras. Deu nome a uma cor de esmalte para unhas, da mesma forma que "Delicado". Mais recentemente, "Brasileirinho" foi a trilha executada pela ginasta brasileira Daiane dos Santos em competições.

Disco póstumo

Antes de morrer, em 1980, estava preparando o lançamento de seu novo disco. Perfeccionista como era, gravou uma fita com instruções para a produção em São Paulo. Quase tudo estava pronto para a gravação em duas semanas. Começou a se sentir mal e foi internado no hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo. A gravação do disco foi feita pelo cavaquinista Roberto Barbosa, o Canhotinho, que o próprio Waldir já havia eleito como um de seus sucessores. Algumas falas de Waldir gravadas na fita

Sucesso internacional

As músicas de Waldir Azevedo fizeram muito sucesso na Argentina, o que o levou a participar de um filme naquele país, além de se apresentar em rádios e casas de show. Fez turnês também pelo Uruguai e Venezuela, onde tocou na inauguração de uma TV. Quando viajou para o Oriente Médio, teve uma surpresa que nunca mais esqueceu. Ao abrir uma caixa de música em pleno deserto palestino, escutou "Delicado".

Sinhô

Curiosidades Pianista a todas hora

Direitos autorais

Apesar das polêmicas envolvendo plágios, o compositor foi um dos primeiros a se preocupar com a defesa de seus direitos autorais. Mandou fazer um carimbo para identificar as partituras de suas músicas e os selos dos discos que continham composições de sua autoria eram assinados por ele. Sinhô também sabia se divulgar. Costumava pagar músicos de bailes para tocar somente suas músicas.

Dificuldades financeiras

Em sua curta vida, teve muitas mulheres, mas, em 1920, casou com Nair Moreira, com que viveu até falecer. Deixou a viúva em condições financeiras ruins. O professor de música e amigo Augusto Vasseur recolheu contribuições para fazer o enterro de Sinhô, totalizando perto de 3 contos de réis. Por causa das dificuldades, Nair chegou a rifar o violão do marido e queimou todo o arquivo que o compositor mantinha em sua casa na Ilha do Governador, incluindo fotos e músicas, algumas inéditas.

Pouca formação

A pouca formação musical, o que o impedia de ler partituras, rendeu uma história contada pelo músico e escritor Almirante. Depois de tocar piano numa festa em Botafogo, uma convidada lhe entregou uma partitura para que a executasse. Era "Elégie", de Massenet (Jules Massenet, compositor francês). Sinhô ficou sem graça, mas não se fez de rogado e respondeu: "Sinto muito, senhorita, mas não posso executar essa música. Não me dou com esse autor".

Vozes masculinas