Notícia

O Diário (Mogi das Cruzes) online

Crodowaldo Pavan morre aos 89

Publicado em 04 abril 2009

Morreu ontem, aos 89 anos, o geneticista Crodowaldo Pavan, uma das figuras mais importantes da ciência brasileira. Nascido em Campinas e formado pela Universidade de São Paulo (USP), ele foi um dos fundadores da genética no País, formou dezenas de pesquisadores no Brasil e nos Estados Unidos, publicou trabalhos de repercussão internacional e liderou algumas das instituições científicas mais importantes do País.

"Ele era um grande líder, daqueles que não se encontra mais hoje em dia", disse a geneticista Mayana Zatz, diretora do Centro de Estudos do Genoma Humano da USP, que foi aluna de Pavan na graduação. "A história do Pavan se confunde com a história da genética no Brasil; é impossível separar uma coisa da outra", disse outro notório ex-aluno, o geneticista Francisco Salzano, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

O professor imortal, que nunca fugia de uma discussão - ao contrário, fazia questão de iniciar muitas delas -, morreu no início da tarde de ontem, no Hospital Universitário da USP. Ele estava internado desde o dia 26, quando se sentiu mal. Na madrugada do dia 27, sofreu um enfarte e seu quadro clínico se deteriorou, até uma falência de órgãos. Ele tinha câncer, mas não ficou claro se isso teve influência na morte.

Pavan foi presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) entre 1981 e 1986, quando, entre outras coisas, liderou uma campanha para incluir a autonomia universitária e o apoio à ciência e à tecnologia no texto da Constituição de 1988. Também foi uma voz importante na criação do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), em 1985. "Ele foi uma liderança crucial em momentos importantíssimos da ciência no Brasil", disse o atual presidente da SBPC, Marco Antonio Raupp.

Entre 1981 e 1984, Pavan foi diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Entre 1986 e 1990, presidiu o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), órgão do MCT que financia a maior parte das pesquisas no País.

Entrou dizendo que ia multiplicar o orçamento e o número de bolsas, que passou de 10 mil para quase 50 mil. "O Pavan era um figura notável, que marcava presença em todos os lugares por que passava", disse o chefe de gabinete do CNPq, Felizardo Penalva, também ex-aluno dele na pós-graduação do Departamento de Genética da USP - que, aliás, foi criado por Pavan.

Para Mara Hutz, presidente da Sociedade Brasileira de Genética (SBG) e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Pavan colocou o Brasil no mapa da genética no mundo. "Sempre foi uma pessoa muito participativa que viveu intensamente a política científica brasileira", aponta Mara.

Na década de 40, Pavan pesquisou ao lado do renomado biólogo Theodore Dobzhansky, na Universidade Columbia. Nas décadas de 60 e 70, foi pesquisador da divisão de biologia do Oak Ridge National Laboratory e virou professor vitalício de genética da Universidade do Texas. "Ele poderia ter ficado nos EUA, mas preferiu voltar para ajudar no desenvolvimento do Brasil", disse Penalva.

Carlos Menck, vice-presidente da SBG e livre-docente do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, assistiu aulas de Pavan durante a graduação na década de 70. "Eram altamente estimulantes. Queria que as pessoas se dedicassem à ciência por gosto." No ano passado, Menck, Pavan e outros professores participaram de uma conversa com alunos sobre as perspectivas da biologia. "Pavan falou durante uma hora e meia", conta Menck.