Notícia

Correio do Estado (Campo Grande, MS)

Crianças vêm usando muito antibióticos

Publicado em 08 setembro 2007

Uma pesquisa feita por professores e alunos do curso de Farmácia da Universidade de Sorocaba (Uniso) mostrou que 30% dos antibióticos consumidos na cidade são ministrados em crianças de 0 a 10 anos.

Indicou, ainda, que elas são submetidas a tratamento com antibióticos, em média, até quatro vezes por ano, quando o recomendado pela Sociedade Americana de Pediatria é que esse tipo de tratamento não passe de uma vez por ano.

O estudo já demonstrou que o uso de antibióticos poderia ser sido reduzido com a adoção de uma dieta mais rica em vitaminas B e C na alimentação das crianças.

O trabalho atraiu o interesse de pesquisadores científicos americanos e será apresentado na 47 Conferência Internacional de Quimioterapia Antibacteriana, que será realizada no período de 17 a 20 de setembro, em Chicago (EUA).

De acordo com o professor Fernando de Sá Dei Fiol, pró-reitor de Extensão e Assuntos Comunitários da universidade, a pesquisa teve como finalidade detectar os hábitos de uso de antibióticos e o perfil das pessoas que se utilizam desse tipo de medicamento.

"Foi o passo inicial para um trabalho que estamos desenvolvendo no sentido de orientar a população sobre o uso correto de medicamentos". Ele coordena o estudo juntamente com o professor Sílvio Barberato Filho, também da universidade.

Para o trabalho de campo, realizado em 2006 por bolsistas do programa de iniciação científica da Uniso, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), foram escolhidas uma farmácia escola, uma farmácia comercial e uma unidade básica da rede pública de saúde.

"Conseguimos, assim, ter uma boa amostragem dos pontos de captação de medicamentos pela média da população' explicou o pesquisador. O levantamento foi feito com base na abordagem de pacientes que procuravam esses locais munidos de receitas médicas".

As bolsistas Fernanda Sal to, Vanessa Magalhães e Elizabete Maryule fizeram 403 entrevistas com os pais ou responsáveis pelas crianças. "Com isso, conseguimos deter minar também as doenças que estavam sendo combatidas".

Também se concluiu que mais de 50% das crianças tinham sido tratadas com antibióticos de 2 a 4 vezes no ano. Segundo Dei Fiol, a pesquisa forneceu o suporte para um trabalho mais amplo, com a finalidade de aumentar a informação da população e dos agentes de saúde sobre os cuidados na utilização de medicamentos.

Com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento e Pesquisa Tecnológica (CNPq), o grupo está confrontando o uso de antibióticos com os da dos nutricionais do paciente. "Selecionamos crianças que estão com algum tipo de infecção e fazemos um estudo que a gente chama de recordatório alimentar para calcular quanto ela consumiu de carboidratos, proteínas, vitaminas e outros elementos".

A nova etapa ainda não foi concluída, mas, de acordo com Del Fiol, já é possível Chegar à conclusão de que uma dieta com vitaminas poderia reduzir o uso de antibióticos em crianças.

"Nos usuários atendidos em unidades básicas de saúde, fica claro que se as mães fossem orientadas a usar vitaminas B e C na alimentação das crianças, muitas delas não ficariam doentes' disse Dei Fiol. Outro indício do uso inadequado de antibióticos, segundo ele: para 40% das crianças, o medicamento foi prescrito sem que tivessem apresentado febre — o sinal mais claro de infecção. O medicamento está sendo usado para prevenir a infecção e não para tratar, que é sua finalidade".