Notícia

DiárioNET

Criado centro para desenvolver motores movidos a biocombustíveis

Publicado em 21 outubro 2013

Acordo entre a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e a Peugeot Citroen vai levar à criação de um centro de pesquisa destinado a desenvolver motores de combustão interna, adaptados ou desenvolvidos especificamente para biocombustíveis, e a estudar a sustentabilidade dos combustíveis renováveis.  O centro terá apoio das organizações por quatro anos renováveis por mais seis.

A instituição vai reunir pesquisadores da Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), do Instituto Mauá de Tecnologia e do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Os profissionais desenvolverão projeto de pesquisa voltado a criar conceitualmente um motor a etanol que apresente melhor desempenho do que os desenvolvidos nas últimas décadas no Brasil.

Um comitê internacional - composto por pesquisadores do Paris Institute of Technology (ParisTech), do Instituto Politécnico de Turim, e das Universidades de Cambridge, do Reino Unido, Técnica de Darmstadt, da Alemanha, e da University College London, do Reino Unido - vai assessorar a condução do projeto.

O centro também deverá estudar novas configurações de motores movidos a diferentes biocombustíveis - incluindo veículos híbridos, redução de consumo e de emissões de gases - e os impactos e a viabilidade econômica e ambiental de biocombustíveis.

"Pretendemos projetar conceitualmente, nos próximos quatro anos, um motor dedicado exclusivamente ao etanol, que apresente maior potência e seja mais eficiente do que o motor flex fuel existente atualmente", disse à Agência Fapesp o professor da Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp e coordenador do projeto Waldyr Luiz Ribeiro Gallo.

Segundo Gallo, o Centro de Pesquisas em Engenharia não vai reunir todos os pesquisadores num único local de trabalho. "As linhas de pesquisa serão disseminadas entre as instituições participantes. Nosso grande desafio será coordenar as atividades desenvolvidas por esses diferentes grupos de pesquisadores."

De acordo com o coordenador, a ideia é que o projeto inicial reúna um grupo de pesquisadores especializados em diferentes aspectos de engenharia de motores. A meta, contudo, é a de que o centro atraia outros interessados.

"Pretendemos que, ao longo do tempo, o centro tenha novas fontes de financiamento - além da Fapesp e da Peugeot Citroen -, novos projetos e pesquisadores, cresça e extrapole seus limites", disse Gallo.

 "A aprovação da proposta inaugura um modelo de centros de pesquisa em engenharia, que associa características do programa Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão com as do Programa Fapesp de Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica", afirmou o diretor-científico da fundação (foto), Carlos Henrique de Brito de Cruz.

A iniciativa de financiar o projeto no Brasil foi tomada pela Peugeot Citroen após a matriz ter decidido, em 2008, que a filial brasileira seria o polo de competência da montadora em pesquisa na área de biocombustíveis, em razão da experiência brasileira nesse campo.

 "As possibilidades excepcionais de desenvolvimento de qualquer tipo de biocombustível e o histórico com o etanol e os motores flex fuel posicionam o Brasil como um polo natural para realização de pesquisa nessa área", disse o diretor de pesquisa, desenvolvimento e design para América Latina da PSA Peugeot Citroën, François Sigot.

 "O acordo com a Peugeot Citroën criou uma parceria que tem sido essencial para os objetivos da Fapesp em desenvolver a ciência e a tecnologia no Estado de São Paulo, refletindo a dedicação da empresa ao desenvolvimento de pesquisa e tecnologia no país. A Peugeot Citroën mobilizou especialistas do mais alto calibre na fase de análise, demonstrando a capacidade da empresa e sua clareza de objetivos em pesquisa e desenvolvimento", disse Brito Cruz.