Notícia

Revista Attalea Agronegócios online

CREA-SP, UNIVESP e UNESP assinam convênio para capacitação profissional

Publicado em 19 setembro 2019

Parceria busca capacitar os profissionais registrados no CREA-SP em “Empreendedorismo, Inovação Tecnológica e Novos Negócios”

O Crea-SP, a Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Unesp e a Universidade Virtual do Estado de São Paulo – Univesp assinaram convênio voltado à capacitação técnica e aprimoramento de profissionais da Engenharia, Agronomia e Geociências. A iniciativa oferecerá em caráter experimental mais de 900 vagas para o curso de especialização Lato Sensu “Empreendedorismo e Inovação Tecnológica nas Engenharias”. A ação é resultado de um protocolo de intenções firmado em dezembro de 2017, que previa a cooperação técnico-cientifica entre as três instituições. Informações referentes às inscrições serão divulgadas em breve.

O conteúdo, dividido em cinco módulos, com duração de 15 meses, 360 horas, com momentos presenciais e on-line, será produzido pela Univesp e Unesp, também responsáveis pelas certificações. A primeira etapa contará com metodologia científica; as seguintes abordarão diversas temáticas: inovação tecnológica, empreendedorismo e ferramentas de negócios, entre outras. A conclusão do curso acontecerá com o desenvolvimento de um Projeto Integrador, no formato de Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O Crea-SP participará da operacionalização por meio de seu Colégio de Entidades Regionais (CDER).

De acordo com o presidente da Univesp, professor Rodolfo Azevedo, a principal proposta é a transferência de conhecimentos e o aprimoramento na área de inovação tecnológica e novos negócios. “É fundamental que os profissionais busquem atualização nos diversos segmentos do mercado onde atuam e criem novas oportunidades. Os engenheiros devem empreender e contribuir para o crescimento econômico e inovação em todo o estado de São Paulo, bem como propagar os resultados para além de nossas fronteiras”, destacou.

“Está saindo de cena o engenheiro ‘funcionário’ para dar lugar ao engenheiro ‘empreendedor’, que resolve problemas e contribui para o crescimento econômico. Mas criar uma cultura de inovação e empreendedorismo requer esforço e leva tempo. Precisamos de um ensino mais investigativo e direcionado para as demandas tecnológicas: as escolas estão formando acadêmicos com alguns conhecimentos obsoletos e desconectados do mundo real e do mercado de trabalho; esse convênio vem para mudar isso”, disse o Presidente do Crea-SP, Engenheiro Vinicius Marchese Marinelli. “Ou nós começamos a promover atividades que são necessidades atuais ou nós não estaremos preparados para o futuro”, concluiu.

1. Como está sendo criado e organizado este curso?

O curso com forte motivação inovativa está sendo criado e desenvolvido por uma equipe composta pelos mais renomados profissionais da área acadêmica e de mercado.

2. Quem poderá se inscrever neste curso?

Todos os profissionais da área tecnológica registrados no Crea-SP e em situação regular com o Sistema.

3. Quantas vagas serão disponibilizadas?

Por se tratar de um projeto piloto, serão disponibilizadas cerca de 1.500 vagas, distribuídas de forma igualitária entre as 12 regiões administrativas do Crea-SP.

4. Qual a carga horária, conteúdo e duração do curso?

O curso tem carga horária superior a 360 horas, é mediado por tecnologias do ensino a distância e será agrupado em cinco módulos com conteúdos distintos:

a. empreendedorismo;

b. tecnologias:

c. inovação;

d. gestão tecnológica;

e. método científico e projeto integrador.

5. Qual a forma para obtenção do diploma de Especialista em Empreendedorismo e Inovação Tecnológica?

O candidato deve ser aprovado nos cinco módulos e apresentar o trabalho final de conclusão de curso (Projeto Integrador) que, obrigatoriamente, conterá um plano de negócios.

6. É possível cursar apenas alguns módulos?

Sim. Se o candidato cursar apenas o(s) módulo(s) de seu interesse, mas não apresentar o trabalho final de conclusão de curso, receberá um certificado referente a cada módulo concluído.

7. Qual o valor e as formas de pagamento do curso?

Será cobrada inscrição de R$ 100,00 para o curso e mais R$ 150,00 por módulo no ato da inscrição de cada um dos cinco módulos, o que equivale a um custo médio de R$ 56,67 por mês, considerando que a duração será de 15 meses.

8. Como se inscrever para o curso?

O interessado em participar do curso deverá procurar uma Unidade de Atendimento do Conselho ou as entidades de classe parceiras do Crea-SP (associações, institutos, sindicatos) no seu município ou região, local em que todos os documentos deverão ser entregues.

9. Qual o papel das entidades de classe, principais parceiras do Crea-SP neste convênio?

Coordenar, divulgar e auxiliar no processo de inscrição regional;

Planejar e disponibilizar espaço físico para a realização das aulas semipresenciais, presenciais e as avaliações presenciais para cada módulo e projeto integrador;

Disponibilizar espaço e realizar eventos, como cursos auxiliares, palestras e grupos de estudos;

Coordenar e fazer o controle regional de vagas e de candidatos inscritos;

Criar e organizar um banco de dados para os candidatos excedentes.

10. Haverá prova de seleção para os interessados, considerando o universo potencial de mais de 400.000 profissionais de engenharia no estado de São Paulo?

Por se tratar de um projeto piloto, a seleção será feita considerando a ordem de inscrição e a análise curricular dos candidatos por uma banca composta por membros das instituições conveniadas (CREA/UNESP/UNIVESP) e outras autoridades convidadas pelos três parceiros mencionados.

11. Onde serão ministradas as aulas?

As aulas EAD serão disponibilizadas no ambiente virtual, devendo ser acessadas nos dispositivos cadastrados; as aulas semipresenciais poderão ser assistidas nas entidades parceiras; e as aulas e as avaliações presenciais serão realizadas regionalmente nos locais a serem definidos pela Comissão Especial de Empreendedorismo e Inovação Tecnológica – CEEIT e pelo Colégio de Entidades Regionais de São Paulo – CDER-SP, ambos do Crea-SP.

12. Quais os critérios de avaliação para os alunos inscritos nesse programa de pós-graduação? Como serão as provas para aprovação nos cinco módulos?

Ao fim de cada módulo, serão cumpridos os seguintes critérios:

As provas e as avaliações serão presenciais, utilizando metodologias ativas para sua realização e ocorrerão simultaneamente em seis ou mais cidades do Estado, distribuídas estrategicamente de forma a garantir equidistância entre as 12 regiões administrativas do Crea-SP;

As provas serão realizadas por equipes compostas por seis alunos, preferencialmente com formação

multidisciplinar, e serão disponibilizadas previamente a todos os candidatos, que poderão utilizar técnicas EAD para solucioná-las em equipe;

Na data marcada para a avaliação, no período da manhã, todos os alunos das cidades polos assistirão a uma videoconferência pelo conteudista principal do módulo, versando sobre o seu conteúdo e a importância deste na formatação de uma atividade empresarial. No período da tarde, das 12h30 às 14h00, cada grupo deverá reexaminar o conteúdo da prova, adequá-la aos conhecimentos adquiridos na videoconferência, aprimorando-a e entregá-la ao responsável no local.

Das 14h00 às 16h00, cada uma das 250 equipes formadas apresentará uma síntese, seguida por defesa oral do seu projeto, durante três minutos, para uma banca composta por três professores, indicados pelos responsáveis do curso.

13. Essa metodologia também será adotada para avaliar o projeto final “Projeto Integrador”?

Sim, da mesma forma as equipes receberão previamente as questões de prova, direcionando-as para a construção de um projeto inovador, que integrará os conteúdos adquiridos nos quatro módulos já cursados (empreendedorismo, tecnologia, inovação e gestão). Assim, no período da manhã, os candidatos deverão apresentar uma síntese, por escrito, contendo um plano de negócios que integre os quatro módulos avaliados. Do mesmo modo, participarão de uma videoconferência orientativa, ao final da qual poderão modificar seu projeto, no período da tarde, e farão uma defesa oral diante da banca examinadora.

14. Realizadas as avaliações, quanto tempo levará para que os alunos tenham conhecimento de sua nota?

No caso da avaliação dos módulos, poderão obter a resposta em até 72 horas. No caso do projeto integrador, as equipes terão conhecimento parcial das notas em até 72 horas, porém posteriormente deverão apresentar um projeto formal contendo um plano de negócio no formato do PIPE FAPESP no período de 30 dias, quando obterão uma nova nota.

Os 10 melhores projetos classificados serão premiados pelo Crea-SP e, a depender da sua qualidade inovativa, poderão ser submetidos a agências de fomento e/ou outros investidores.

15. Os profissionais não selecionados para a primeira turma terão uma segunda chance?

Sim. Há previsão de oferecimento de outras turmas, de forma que todos os profissionais interessados do Sistema possam ser atendidos.

Para mais informações, procure as entidades de classe de seu município e/ou região; e acompanhe as publicações no site do Crea-SP: www.creasp.org.br