Notícia

E-Thesis

CPqD estará na Copa do Mundo da África do Sul

Publicado em 09 junho 2010

Tecnologia - O que se fala...

por e-Thesis

O CPqD estará na Copa do Mundo de Futebol, que começa na próxima sexta-feira, na África do Sul. Dois projetos do Centro, um deles em parceria com a Universidade Mackenzie, foram selecionados para participar da exposição que a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) vai promover na Casa Brasil, em Joanesburgo, durante o período de realização da Copa do Mundo. Batizada de Projeto 14 Bis, a mostra será constituída de 12 projetos considerados inovadores na área de ciência e tecnologia - o objetivo é apresentar o potencial criativo do Brasil nesse setor. Um desses projetos é o CPqD T-CoD Educação, desenvolvido pelo CPqD com a finalidade de tornar as aulas nas escolas mais atraentes, dinâmicas e interativas, aumentando o interesse do aluno e facilitando o aprendizado. Ao mesmo tempo, o projeto visa estimular a produção de conteúdos educacionais multimídia no país, utilizando a plataforma de TV digital interativa.

A ideia é aproveitar as vantagens do baixo custo de acesso e da facilidade de uso da televisão para divulgar e distribuir conteúdos didáticos multimídia, em tempo real e sob demanda. "Trata-se de uma ferramenta de apoio ao professor, que passa a dispor de material audiovisual de alta qualidade para ilustrar as suas aulas", afirma Juliano Castilho Dall`Antonia, diretor de Tecnologias de Serviços do CPqD. Para o estudante, além de ajudar a aprender, a ferramenta também oferece a oportunidade de produzir e divulgar seus próprios conteúdos, usando a interface amigável da TV digital interativa.

O CPqD vem trabalhando com pesquisa e desenvolvimento de TV digital desde 1998. Participou ativamente do processo de escolha do padrão adotado no Brasil e, atualmente, está empenhado em desenvolver serviços e aplicações, em várias áreas, destinados a otimizar e popularizar o uso das plataformas de TV digital interativa. Com esse conceito, nasceu o CPqD T-CoD Educação, que teve seu primeiro teste de campo em uma escola do município de Hortolândia, no interior de São Paulo. Para 2014, o objetivo do projeto é estimular a construção de uma rede de conteúdos educacionais, que poderão ser acessados das salas de aula de todo o país por meio de um receptor de TV digital interativa.

Super-alta definição

Transmissão ao vivo, em tempo real, com super-alta definição e em 3D de jogos da Copa do Mundo de 2014, diretamente do Brasil para salas especiais instaladas em vários países, nos cinco continentes. Essa é a proposta do Projeto 2014K, desenvolvido a partir de parceria entre o CPqD e a Universidade Mackenzie, que também será apresentado na exposição de tecnologia brasileira que a FINEP vai levar para a África do Sul.

O projeto, que conta ainda com a participação da Rede KyaTera, da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), e da Rede Nacional de Pesquisa (RNP), tem como base a tecnologia de transmissão de filmes em super-alta definição, chamada 4K, já adotada como padrão digital pela indústria de cinema. Nessa tecnologia, as imagens têm altíssima resolução: 4.096 pixels horizontais por 2.160 verticais, o que dá um total de 8,8 milhões de pixels por quadro (frame). Trata-se de uma resolução quatro vezes maior do que a do full HD, que oferece 2 milhões de pixels por frame (1.080 horizontais por 1.920 verticais).

De acordo com o projeto, essa ultra definição será associada à tecnologia 3D na geração das imagens de alguns jogos da Copa do Mundo de 2014. A ideia é, até lá, ter essa tecnologia disponível para fazer transmissões experimentais desses jogos, em 4K 3D, para várias salas de exibição espalhadas pelo mundo. "O grande desafio do projeto é a distribuição das imagens em uma escala geográfica desse porte, para vários países simultaneamente e em tempo real. Nesse ponto entram a fibra óptica e diversas tecnologias específicas, que terão que ser desenvolvidas, nas áreas de captura, codificação, compressão e distribuição de vídeo", afirma Alberto Paradisi, gerente de Tecnologias Ópticas do CPqD.

Por serem arquivos bastante pesados (um segundo de filme em 4K 3D tem cerca de 2GB), a transmissão dessas imagens exigirá conexões dedicadas de fibra óptica de altíssima velocidade - da ordem de 10 Gbits por segundo. Atualmente, essa largura de banda só está disponível nas redes experimentais de instituições acadêmicas e de pesquisa e desenvolvimento, como a KyaTera e as redes do Projeto GIGA e da RNP, todas no Brasil. Até 2014, a intenção é firmar parcerias com diversas universidades e entidades internacionais, visando a utilização da infraestrutura de banda ultralarga de suas redes experimentais na transmissão dos jogos para outros países.

Nota: Informações fornecidaspelo CPqD