Notícia

A Tribuna (ES) online

Covid: Cientistas afirmam que ser obeso tem tantos riscos quanto ser idoso

Publicado em 17 setembro 2020

O risco é independente da idade, do sexo, da etnia e de presença de comorbidades

Cientistas brasileiros descobriram que a obesidade é um fator de risco para o agravamento da Covid-19 e morte pela doença tão importante quanto ser idoso. De acordo com os especialistas, que o perigo é elevado independente da idade, sexo, etnia ou de outras comorbidades, como hipertensão, doença cardíaca, pulmonar ou diabetes.

Em entrevista ao O Globo, a professora da Universidade de São Paulo (USP) em Bauru e coordenadora de uma revisão sistemática sobre o impacto da obesidade sobre a Covid-19, Silvia Sales-Peres, informou que pessoas acima do peso, mas que não chegam a ser obesos, já têm algum grau de inflamação e podem apresentar deficiências imunológicas.

“Vimos que mesmo em pessoas sem nenhuma outra doença além da própria obesidade, o risco de Covid-19 grave é significativamente maior, inclusive nos jovens. Isso é gravíssimo para o Brasil, no qual a maior parte da população está acima do peso”, enfatizou ela na entrevista ao o Globo.

Em abril, médicos já haviam observado uma relação entre a obesidade e a Covid-19 grave, porém se pensava que isso se dava pelo fato de a obesidade estar quase sempre acompanhada de outras comorbidades.

No entanto, as pessoas obesas e com sobrepeso se vêm em desvantagem a partir do momento em que são infectadas e, nelas, a doença progride mais depressa para um quadro mais grave, explicou a cientista.

Apoiado pela Fapesp, o estudo do grupo dela foi publicado na revista Obesity Research & Clinical Practice e analisou dados de nove pesquisas com 6.577 pacientes infectados pelo SARS-CoV-2 em China, França, Espanha, Itália e Estados Unidos. O estudo mostrou que 9,4% dos obesos internados em UTI morreram.