Notícia

Jornal da Ciência online

Covid-19, uma batalha feminina

Publicado em 11 maio 2021

Rede de pesquisadoras busca encontrar soluções e influenciar políticas públicas para as dificuldades enfrentadas por mulheres na pandemia

A linha de frente da pandemia é majoritariamente feminina. As mulheres predominam entre enfermeiras e caixas de supermercado. Principalmente nas classes economicamente mais desfavorecidas, são quase sempre elas que lidam com os filhos sem possibilidade de ir à escola, que cuidam dos parentes que adoecem ou perdem os empregos e sofrem com o aumento da violência doméstica. É essa a percepção do grupo de cientistas que, no final de abril, formou a Rede Brasileira de Mulheres Cientistas, com o intuito de olhar para fora da academia. A equipe de pesquisadoras já começou a produzir notas técnicas sobre a desproporcional mortalidade de gestantes no Brasil em consequência da Covid-19, os riscos de vida enfrentados pelas profissionais da saúde e a falta de estratégia de testagem em grande escala no país. Todas informam e interpelam o poder público.

As cientistas políticas Vanessa Elias de Oliveira, da Universidade Federal do ABC (UFABC), e Luciana Tatagiba, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), estão entre as instigadoras da rede. “Começou com uma conversa entre colegas, em razão do incômodo que sentimos em relação à inação atual”, conta Oliveira. Ela é especialista em judicialização de políticas públicas e Tatagiba em participação popular e movimentos sociais. Nenhuma, portanto, com foco especial em questões femininas – apesar de terem editado, com outras três colegas, o livro Mulheres, poder e ciência política: Debates e trajetórias, publicado em 2020 pela editora Unicamp. Mas quando elas se reuniram por teleconferência com mais 10 pesquisadoras, em uma sexta-feira à noite em meados de abril, para discutir como mobilizar o conhecimento acadêmico para informar políticas públicas em defesa das mais vulneráveis, era claro o que caracterizava o grupo: todas eram mulheres cientistas.

Pesquisa Fapesp