Notícia

Blog Palavras de Seda

CORA CORALINA - PSEUDOPALUDICOLA CORACORALINAE

Publicado em 07 julho 2020

Por Unknown

Uma homenagem à maravilhosa Cora Coralina.

“Cânticos da Terra” é o título do capítulo 19 da II Parte do livro "Cora Coralina Raízes de Aninha", que escrevi em parceria com Clóvis Carvalho Britto. A grande parte desse capítulo escrevi em Andradina, ainda mais quando visitei a chácara “Casinha Branca”, onde a poesia telúrica marcou presença nos seus escritos, inclusive em 1944, seu lindo poema “Terra” (até então inédito) foi publicado no jornal “O Andradina”. Aos 55 anos, ela se denominava “Mulher Terra”. Nessa chácara Cora mantinha diversas plantações, uma dela era a de milho. Sr. Ricardo Alexandre Roque, atual proprietário, conheceu “dona Cora” (aliás na estrada de terra que chega à chácara tem uma placa “Subida dona Cora”) e me disse que a poetisa fazia inovações nas plantações, sempre respeitando o meio ambiente. Era uma verdadeira ambientalista. Essa era a raiz de Cora Coralina. Raiz que nasceu em Goiás e estendeu-se pelo estado de São Paulo. Raiz que agora está nutrindo não só os brasileiros, mas os amantes da poesia coralineana estão por todo planeta. Cora estendeu suas raízes.

Ela gostava tanto da plantação que escreveu “Oração do Milho” e “Poema do Milho”. No poema ela descreveu: “Tempo mudado. Revoo de saúva / Trovão surdo, tropeiro. / Na vazante do brejo, no lameiro, / o sapo-fole, o sapo-ferreiro, o sapo-cachorro / Acauã da madrugada / marcando o tempo, chamando chuva.” (Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais, UFG, p.110)

E a chuva veio... e o cheiro da terra molhada relembra os versos de Cora. A chuva se fez presente em poças d’água no meio do milharal. Foi então que os pesquisadores Felipe Silva de Andrade e Isabelle Aquemi Haga, captaram a vocalização da nova espécie de anfíbio em Palmeiras de Goiás, cidade distante cerca de 209 km de Goiás, terra natal de Cora Coralina. No meio daquele milharal encontraram um pequeno sapo marrom (entre 1,25cm e 1,53cam) entoando seu canto que pode ser ouvido à distância. Esse pequenino anfíbio foi batizado cientificamente como “Pseudopaludicola coracoralinae” pelo grupo de pesquisadores das Universidades Estaduais de Campinas (Unicamp), Paulista (Unesp), no campus Rio Claro, e da Universidade Federal de Uberlândia, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O artigo a respeito do novo anfíbio foi publicado no “European Journal of Taxonomy” em 3 de julho de 2020, por: Felipe Andrade e Isabela Haga, Mariana Lúcio Lyra, Thiago Ribeiro de Carvalho, Célio Fernando Baptista Haddad, Ariovaldo Antonio Giaretta e Luís Felipe Toledo.

Cora Coralina está no coaxar vibrante de um sapinho que, no meio do milharal, anuncia que há umidade para que as espigas cresçam e gerem alimento para homens, animais e aves. Quem sabe se daqui a alguns anos, com o avanço da ciência tecnológica possamos decodificar esse coaxar e encontrar lindos poemas de amor à plantação.