Notícia

Central das Notícias

Contra a covid-19, Sírio Libanês fará pesquisa em sequenciamento genético

Publicado em 16 abril 2020

Graças a algumas pesquisas diferentes (uma delas feita pela USP), já se sabe que o gene ACE-2 é considerado a porta de entrada do novo coronavírus na célula. Mutações específicas neste gene, de acordo com pesquisadores, poderiam indicar uma maior probabilidade de desenvolver um quadro grave da doença.

De acordo com Pedro Galante, geneticista e pesquisador sênior do Hospital Sírio Libânes (SP), para entender melhor o papel dos genes na doença, o hospital já está trabalhando em um projeto que foca no sequenciamento do DNA.

"A ideia é sequenciar o genoma tanto de quem teve evolução grave quanto muito suave da doença, com sintomas mais fracos, e separar por categorias —idade, sexo, entre outras coisas— para avaliar histórico genético", explica.

O pesquisador contou que está terminando de escrever o projeto para mandar para a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de S. Paulo), que financiará parte dele.

"O início depende ainda da aprovação do comitê de ética, mas estamos coletando amostras. A ideia é ter 500 pacientes para começar e mais para frente, se tivermos mais testes no país, queremos incluir pacientes assintomáticos."

Objetivo é prever gravidade e criar droga

Conhecendo quais são as variações importantes para a doença, os profissionais de saúde poderiam fazer um atendimento diferenciado, ficando um passo à frente da doença. "Assim que um paciente chegasse com suspeita no hospital, já poderíamos sequenciar o genoma e prever se há chances de evoluir para um quadro grave", afirma Galante.

Outra possibilidade seria criar drogas específicas para os genes afetados. "Se a gente sabe as regiões de ligação, desenhar drogas para os locais específicos é mais fácil do que quando você não tem alvo. Também seria possível criar um medicamento que 'feche a porta', protegendo contra o vírus em vez de combatê-lo quando já está nas células. Isso funcionaria mesmo se o vírus sofresse mutação, pois o gene estaria preparado", esclarece.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
UOL