Notícia

Brasil Soberano e Livre

Consórcio liderado pelo Brasil iniciará construção de radiotelescópio na Paraíba

Publicado em 14 janeiro 2020

Em uma área remota do sertão da Paraíba, cientistas avançam na construção de um radiotelescópio que ajudará a desvendar mistérios do Universo, como a formação da chamada energia escura.

Batizado de Bingo, abreviatura de Baryon Acoustic Oscillations in Natural Gas Observations, ou Oscilações Acústicas de Bárions em Observações de Gases Neutros, o aparato lembra um "rádio, só que mais sensível, sofisticado e maior", segundo o físico Carlos Alexandre Wuensche, do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (INPE).

O telescópio, que operará na banda rádio, dos 960 a 1260 MHz, está sendo desenvolvido por um consórcio internacional sob liderança do Brasil, com pesquisadores e instituições da Suíça, Reino Unido, Uruguai, China e Arábia Saudita.

O Instrumento representará um grande avanço astronômico nacional e internacional. Após a fase de estudos, o Bingo começará a ser construído neste ano, com previsão de operar com 80% de sua capacidade em 2022.

'Ao invés de observar a luz, as ondas do rádio'

"Ao invés de observar a luz, ele observa ondas de rádio", explicou o pesquisador de astrofísica do INPE, órgão que coordena o projeto ao lado da Universidade de São Paulo (USP), com parceria da Universidade Federal da Campina Grande (UFCG). A maioria dos recursos são da Fapesp (Fundo de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

"O Bingo tem como principal objetivo identificar as características de um componente do Universo chamado energia escura, que causa a aceleração de sua expansão. Cerca de 70% do Universo é formado por energia escura, da qual não conhecemos praticamente nada", disse Wuensche à Sputnik Brasil.

De acordo com o físico, essas características podem ser analisadas a partir da identificação do hidrogênio em épocas diferentes do Universo. O período estudado compreende onde nós estamos, ou seja, os dias de hoje, até a o momento em que o Universo tinha metade da idade atual (14 bilhões de anos).

'Tomografia do Universo'

"Nosso radiotelescópio consegue medir emissões de hidrogênio, que é o elemento mais comum do Universo, o primeiro elemento da tabela periódica. Esse elemento permite verificar a oscilação da distribuição da matéria", afirmou.

O projeto fará uma espécie de "tomografia do Universo", que permitirá analisar a distribuição do hidrogênio ao longo do tempo e entender como a anergia escura atua.

O Bingo é composto de duas antenas parabólicas, uma de 40 metros e outra de 34 metros de diâmetro, que ocupam uma área maior do que meio campo de futebol. Elas são ligadas a receptores com mais de quatro metros de comprimento.

"Ele tem uma vantagem competitiva por não exigir motor, é fixo. As antenas apontam para uma certa região do céu e, ao longo do dia, o céu vai passar na frente do telescópio e ele vai ver sempre a mesma região, na mesma hora do dia, a cada dia. O objetivo é observar repetidamente, sem o mínimo de interferência, a mesma região. Quanto mais tempo olhar, melhor para identificar a oscilação acústica de bárions", esclareceu.

Sertão da Paraíba foi melhor lugar encontrado

O alto sertão da Paraíba, mais especificamente uma região chamada Serra da Catarina, próximo à cidade de Aguiar, foi escolhido por seu um local de difícil acesso, após uma peregrinação por Uruguai, Rio Grande do Sul, Goiás, São Paulo e Bahia.

"A Paraiba foi o último e o melhor local que encontramos, com a menor quantidade de interferência de rádio. A faixa que o Bingo vai estudar é uma faixa de aeronavegação, não é restrita a radioastronomia, então existe a proximidade de celulares, o transponder de aviões, telecomunicações de satélites estacionários, isso atrapalha bastante. A região escolhida minimiza os efeitos desses vários ruídos que prejudicam a observação”, disse o pesquisador.