Notícia

Araraquara News

Consórcio argentino deve iniciar produção de aquecedores com proteção contra intoxicação desenvolvidos no CDMF

Publicado em 14 julho 2021

Por José Angelo

Um consórcio argentino, formado pela REDIMEC e pela cooperativa Impopar, deve iniciar a produção comercial de aquecedores a gás equipados com dispositivos de detecção de monóxido de carbono (CO) com chaves automatizadas de corte de suprimento de gás criados por pesquisadores do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF), sediado na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), e por parceiros internacionais.

O equipamento de segurança pode evitar a intoxicação por CO resultante de vazamentos ou exaustão inadequada em aquecedores e caldeiras movidos a gás. Esse tipo de acidente é responsável anualmente por centenas de mortes por intoxicação em todo o mundo.

O projeto, que resultou na tecnologia utilizada no novo equipamento, foi liderado pelo pesquisador Miguel Ponce, professor da Universidad Nacional de Mar del Plata (UNMdP), em colaboração direta com os também pesquisadores do CDMF Alexandre Simões, professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus Guaratinguetá, Leandro Rocha, Pós-Doutorando no Departamento de Química (DQ) da UFSCar e Elson Longo, professor do DQ-UFSCar e Diretor do CDMF.

Além disso, a pesquisa e desenvolvimento do novo dispositivo também contaram com a colaboração dos pesquisadores Juan Andres, da Universitat Jaume I (UJI), Espanha, e Cesare Malagú, da Universidade de Ferrara, Itália e foram finaciados pela FAPESP e CNPq (Brasil), CONICET (Argentina), Ministério de Ciência, Inverstigación y Universidads (Espanha) e INFN (Itália).

A obrigatoriedade da utilização desse tipo de dispositivo de segurança em aquecedores é tema de um Projeto de Lei em tramitação no Congresso Nacional da Argentina. A proposta, apresentada pelo deputado Eduardo “Bali” Bucca, foi formulada a partir de uma série de eventos e conferências que contaram com a participação dos pesquisadores envolvidos no projeto do novo equipamento.

A produção dos dispositivos sensores e da chave de corte ficará sob responsabilidade da empresa de tecnologia REDIMEC, especializada em equipamentos eletrônicos para aplicação nas áreas de aeronáutica e segurança. Já a cooperativa Impopar produzirá os aquecedores que serão equipados com o dispositivo de corte automático.

Na última segunda-feira (12/7), Ponce ofereceu uma atividade de capacitação para a equipe da Impopar, acompanhado da pesquisadora Giuliana Giulietti, também integrante da UNMdP, que foi tema de reportagem do periódico “La voz de Tandil” disponível AQUI.

O CDMF é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo CNPq