Notícia

Cult

Conjunto de obra

Publicado em 01 fevereiro 2014

Por Cris Barbosa

Em São Paulo, pesquisadores terão acesso a toda produção flusseriana. A obra completa do ”pensador brasileiro”, como ele próprio se apresentava na Europa, reúne livros, manuscritos e registros audiovisuais. Nessa entrevista, o professor Norval Baitello Júnior fala sobre a montagem do arquivo na PUC-SP.

CULT – Qual sua participação na vinda do Arquivo Flusser da Universität der Künste Berlin (Universidade das Artes de Berlim) ao Brasil?

Norval Baitello Júnior – Longos anos de intensa colaboração com o diretor do arquivo berlinense, Siegfried Zielisnk, fizeram amadurecer a ideia de construção de um arquivo-espelho, localizado ao mesmo tempo em Berlim e São Paulo. Com a autorização de Edith Flusser, esposa e zelosa cuidadora do acervo, o reitor da Universidade de Artes autorizou o projeto de digitalização e transferência, que teve apoio irrestrito da FAPESP, da PUC-SP e do Instituto Goethe.

Na Alemanha, o arquivo possui um acervo de 2.500 manuscritos em quatro línguas (português, alemão, francês e inglês), correspondências, biblioteca de viagem e documentos audiovisuais. O que estará à disposição dos brasileiros a partir de março?

Tudo, absolutamente tudo, exceto a pequena biblioteca de viagem, que tentaremos replicar nos próximos anos. O acervo integral foi digitalizado- livros, ensaios, correspondências, cursos, áudios e vídeos, matérias jornalísticas e entrevistas publicadas pela mídia brasileira e internacional. São 10 mil arquivos digitalizados.

Qual o local escolhido para abrigar o Arquivo Flusser?

A PUC-SP escolheu um espaço privilegiado para que a Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica e o Centro de Pesquisas em Semiótica da Cultura e da Mídia abrigassem o Arquivo Flusser. Esse espaço é o Campus Ipiranga, um edifício histórico, no qual também se localiza o Arquivo Metropolitano de São Paulo.

Flusser viveu no Brasil de 1940 a 1973. Quais os destaques do acervo referentes a essa época?

Sem sombra de dúvida, o grande destaque são os inúmeros cursos que Flusser ministrou em São Paulo, sobretudo nos anos 1960. São aulas para grupos ou para instituições, cuidadosamente datilografadas, sobre temas da arte, da filosofia, da cultura, da mitologia. São a base do pensamento flusseriano. Estão apenas em português, e em sua quase totalidades estão inéditos.