Notícia

Nh Tv

Confira o que é preciso saber sobre a vacinação e a covid-19

Publicado em 14 janeiro 2021

Por Bruna Lima, Maria Eduarda Cardim e Sarah Teófilo

Ainda sem uma data marcada para a vacinação contra a covid-19, o governo federal planeja uma cerimônia, no Palácio do Planalto, para dar início ao plano de imunização, na próxima terça-feira. Para isso, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, aguarda a aprovação do uso emergencial de pelo menos um imunizante, no próximo domingo, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Mas, antecipando-se à decisão da autarquia, envia hoje à Índia uma aeronave para buscar dois milhões de doses da vacina contra a covid-19 produzidas pela Universidade de Oxford, em parceria com a AstraZeneca, adquiridas pelo governo do Instituto Serum. Mas, ainda sem dar “o dia D e a hora H”, o ministro garantiu que a imunização começará neste mês.

A previsão é que os imunizantes cheguem ao Brasil no sábado, no Rio de Janeiro, onde serão armazenados. Com as vacinas em solo nacional, visto que a CoronaVac (desenvolvida pela Sinovac e pelo Instituto Butantan) está no país, a intenção da cerimônia do dia 19 seria vacinar duas pessoas do grupo prioritário, sendo um profissional da saúde e um idoso acima de 75 anos, como um “pontapé” do processo de imunização.

O evento é meramente simbólico, pois não haveria tempo hábil para distribuir as doses aos estados e começar a imunização nacional na data da cerimônia. Neste mesmo dia, está marcada uma reunião do ministério com os governadores, que deveria ter acontecido na última terça-feira, mas foi adiada. O encontro seria justamente para definir uma data de início da vacinação no país.

Oficialmente, a pasta informou aguardar a divulgação das respostas aos pedidos de uso emergencial dos fármacos do Butantan e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que replica a de Oxford. Caso um dos imunizantes seja liberado, o ministério explicou apenas que “planeja um evento no início da semana que vem, em Brasília, para divulgar a data de início da vacinação no Brasil”.

Ao ser questionado, o secretário-executivo do ministério, Elcio Franco, esquivou-se. Disse que, se a Anvisa aprovar alguma vacina no domingo –– cuja reunião sobre a aprovação de uso emergencial das vacinas será transmitida ao vivo, pela TV —, haverá início da distribuição às capitais. Mas frisou que existe uma “margem temporal” entre a aprovação e a distribuição. As vacinas só chegarão aos estados e municípios em até cinco depois do aval da agência, segundo nota do ministério. Esse prazo é, inclusive, maior do que o informado por Pazuello, que reiterou várias vezes que a distribuição ocorrerá de três a quatro dias após a aprovação. Franco salientou que a vacinação começará simultaneamente em todo o país.

Terceira opção

A Anvisa deve receber, nas próximas horas, o pedido para uso emergencial da vacina Sputnik V, produzida pelo Instituto Gamaleya. A solicitação será feita pela União Química e o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF). O imunizante, entretanto, ainda não realiza estudos de fase 3 no Brasil e, assim, não cumpre um dos pré-requisitos exigidos pela Anvisa para aprovação do uso emergencial.

Em paralelo à chegada de um terceiro imunizante, o Ministério da Saúde fez uma nova requisição administrativa de mais 30 milhões de unidades de estoques excedentes de seringas e agulhas da indústria nacional. Com a solicitação feita no fim do ano passado, também de 30 milhões, já são 60 milhões de injeções. A requisição administrativa é um mecanismo, previsto na Constituição, que permite ao governo utilizar bens privados “no caso de iminente perigo público” e, depois, pagar pelo serviço.

Este segundo pedido foi feito nesta semana às três fabricantes brasileiras. A primeira requisição foi realizada após o fracasso do pregão aberto, no fim do ano passado: o ministério solicitou 331 milhões de unidades, mas teve oferta para apenas 7,9 milhões. No início do mês, a pasta se reuniu com as fabricantes e exigiu que dessem prioridade aos pedidos da União, inclusive repassando, se necessário, encomendas feitas por outros clientes públicos estaduais, como os governos estaduais.

Human Rights: presidente solapou ação contra covid

A Human Rights Watch divulgou, ontem, a nova edição de seu relatório anual sobre a situação dos direitos humanos, analisando mais de 100 países. No capítulo sobre o Brasil, a organização afirma que Jair Bolsonaro tentou sabotar os esforços para desacelerar a disseminação da covid-19 no Brasil, em 2020, e tomou medidas que prejudicam diretamente os direitos humanos. Com 761 páginas, o relatório ressalta que Bolsonaro minimizou a covid-19, chamando-a de “gripezinha” e disseminou informações incorretas, entre outras violações aos direitos humanos. “O governo Bolsonaro promoveu políticas contrárias aos direitos das mulheres e das pessoas com deficiência, enfraqueceu a aplicação da lei ambiental e deu sinal verde às redes criminosas que operam no desmatamento ilegal da Amazônia”, afirma a organização no documento.

O que é preciso saber sobre os imunizantes e a covid-19

» O que significa eficácia global de 50,38% da CoronaVac?
Esse valor quer dizer que a vacina reduz pela metade o risco de desenvolver a covid-19, mesmo em casos que não precisam de atendimento médico.

» E as eficácias de 78% e de 100%?
A vacina reduziu em 77,96% a chance de desenvolver sintomas leves, que precisam de algum tipo de assistência médica. Além disso, nenhum voluntário imunizado precisou ser internado ou morreu em decorrência da doença –– por isso, a eficácia de 100% contra os casos graves.

» Qual a diferença entre uso emergencial e registro da vacina?
Para ser distribuída e comercializada no país, toda vacina precisa ser registrada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Diante da crise de saúde, a autarquia pode conceder autorização de uso emergencial enquanto as candidatas finalizam as últimas etapas de estudos clínicos e incorporam os dados ao processo final para pedido de registro.

Quanto tempo depois de ser vacinado ficarei imune?
A resposta, mesmo após aplicação de doses, não é imediata. Cada vacina desenvolve uma resposta diferente, sendo que algumas preveem mais de uma aplicação, como é o caso da CoronaVac e da de Oxford/AstraZeneca.

Depois de vacinado, precisarei de reforços anuais?
Para se ter essa informação é preciso aguardar os resultados dos estudos clínicos iniciados após as aplicações. Como há casos de comprovação de reinfecção da covid-19, bem como o aparecimento de mutações do novo coronavírus, a estimativa é de que se necessitará, sim, de reforços ao longo dos anos.

» Quem teve covid-19 precisa se vacinar?
Não há consenso em relação, mas membros da Sociedade Brasileira de Imunizações indicam que a resposta imunológica produzida pelo corpo é duvidosa. Por isso, mesmo aqueles que já desenvolveram a doença devem necessitar da imunização, a fim de produzir uma resposta mais duradoura contra a covid-19.

» Após ser imunizado, posso parar de usar máscaras e não praticar o isolamento social?
Não. Por mais que os primeiros resultados de estudos clínicos comprovem a eficácia e segurança de vacinas, não se sabe se uma pessoa imunizada deixa de transmitir o vírus. Os imunizantes têm comprovação de eficiência contra a doença e não contra a infecção, como detalham os especialistas.

Fontes: OMS, Ministério da Saúde, Instituto Butantan, Fiocruz, Fapesp

Correio Braziliense

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Correio Braziliense online Correio Braziliense Correio Braziliense online