Notícia

CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Conferência internacional premia pesquisas de duas brasileiras

Publicado em 26 fevereiro 2015

Duas brasileiras de Pernambuco e da Bahia foram premiadas pelos seus projetos de pesquisa na tarde de ontem (24), durante I Semana da Ciência Brasil Irlanda, que acontece nesse momento em Dublin, capital irlandesa. Denise Valente, 28, e Marystela Lopes, 25, ganharam o primeiro e segundo lugar, respectivamente, na categoria Apresentação de Pôster Científico com trabalhos nas áreas de Ótica e Biocombustíveis. As jovens receberam o prêmio das mãos do embaixador do Brasil na Irlanda,  Afonso José Sena Cardoso.

O projeto desenvolvido pela recifense Denise foi considerado a melhor pelos júris Martyn Pemble, da Tyndall National Institute, e Osvaldo Oliveira, da Universidade de São Paulo (USP), que avaliaram 32 pôsteres ao todo, produzidos por brasileiros e irlandeses. A pesquisadora, que se formou pela Universidade Federal de Pernambuco (UFP) e faz doutorado pleno na University College Dublin (UCD) através do programa Ciência Sem Fronteiras (SCF), investiga o Uso de Fibra de Cristal Fotônico com Líquido como Simulador de Retina e Sensor de Frente de Onda. Em outras palavras, "Analisamos as reações dos raios de luz no olho. Estamos pesquisando como a retina funciona. Tudo que se sabe é sobre o seu formato e do que é feita, mas sem saber como ela funciona exatamente, não podemos compreender como os problemas acontecem e, portanto, não podemos criar soluções",explica a vencedora, que atua em parceria com outros dois pesquisadores: Diego Rativa (UPE) e Brian Vohsen (UCD).

Já o trabalho da soteropolitana Marystela, que veio da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e agora cursa o doutorado pleno na Universidade de Limerick (UL) também pelo CSF, está ligado à produção de energia renovável. Com o título Conversão de D-Glucose em 5-Hidroximetilfurfural Usando Óxido de Estania Sulfatada Suportada com Al2o3 como Catalizador, a pesquisa busca desenvolver uma forma de tornar viável a produção de combustível biodegradável para substituir combustíveis fósseis. "É muito importante a participação neste evento para aprofundar relações de parcerias e facilitar a execução do experimento para que o resultado final beneficie a sociedade no futuro", comemora. Marystela trabalha em conjunto com Karla Dussan (UL), James J. Leahy (UL) e Victor Teixeira da Silva (UFRJ).

Prêmio: Organizado pela Research Brazil Ireland, iniciativa do governo irlandês para promover pesquisa colaborativa entre os dois países, o prêmio foi um dos destaques do segundo dia da conferência Pesquisa Colaborativa para um Futuro Melhor, que acontece até amanhã (dia 26), e teve patrocínio Euraxess, que entregou um cheque de ¿250 e ¿150 para as campeãs.

A Euraxess é parte de uma iniciativa que envolve a Comissão Europeia e países da União Europeia e oferece todo tipo de apoio ao pesquisador que deseja desenvolver seus trabalhos na Europa, desde a organização da estadia e apoio familiar até informações sobre questões legais, segurança social, serviço de saúde e finanças. "Estamos muito feliz com o envolvimento da Euraxess no evento e com o sucesso das duas brasileiras durante a competição. Foi um resultado justo", diz Jennifer Cleary, gerente da agência na Irlanda, que também mantém duas representantes no Brasil. Segundo ela, a conferência é uma ótima oportunidade para fortalecer e dar visibilidade ao trabalho sério que vem sendo feito entre pesquisadores brasileiros e irlandeses.

Conferência: No mesmo dia, outros dois brasileiros foram destaque com o lançamento do livro Ubiquitous Music (Computational Music System), editado por Marcelo Pimenta e Victor Lazzarinni, que trabalham juntos no Departamento de Música da Maynooth University, além de Dámian Keller, professor na Universidade Federal do Acre (UFAC). Esta é a primeira monografia dedicada a esta área de pesquisa interdisciplinar, combinando os pontos de vista de música, ciência da computação, educação, estudo da criatividade, psicologia e engenharia.

A conferência de quarto dias, que se propõe a aprofundar a relação científica entre Brasil e Irlanda e aprimorar o processo de pesquisa feito entre os países, promoveu, também nesta terça-feira, uma série de palestras apresentadas na Sala de Conferência do Dublin Castle (Castelo da Irlanda, em inglês).

Temas importantes como o panorama da investigação científica internacional e oportunidades para alavancar investimentos foram discutidas por Mark Ferguson, diretor geral do Science Foundation Ireland (SFI ¿ Fundação da Ciência da Irlanda, em português); Robert Burmanjer, chefe da Unidade Américas da União Europeia; Imelda Lambkin, diretora nacional do Horizon 2020/Enterprise Ireland; e Celso Lafer, presidente da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

Outros assuntos como o papel dos centros de pesquisa no desenvolvimento da investigação científica e como a pesquisa colaborativa internacional funciona foram debatidos e serviram para levantar a discussão sobre dificuldades do processo de pesquisa no Brasil, que inclui o excesso de burocracia e o altos preços de importação de material.

Coordenação de Comunicação do CNPq