Notícia

EGM Brasil

Concursos e mostras

Publicado em 01 julho 2006

Se vitrine era o problema, hoje ninguém pode reclamar. De olho no mercado de desenvolvimento de games brasileiro, organizações públicas e privadas reservaram para este ano algumas surpresas interessantes para quem pretende se aventurar no maravilhoso mundo dos pixeis. A PUC-SP por exemplo, aproveitou o gancho e organizou 010 Festival Universitário de Gamos, O evento, que reuniu alunos de graduação e pós- graduação de todos os estados do país, aconteceu no inicio do mês de junho e foi aberto somente ao público acadêmico. Ao todo, foram três categorias: jogo completo, demo e projeto. Uma das responsáveis pelo evento, a professora Dr. Mima Feitoza é também uma das integrantes do grupo de pesquisa CS: Games, cujo intuito é mapear a produção acadêmica e científica na área de jogos eletrônicos no Brasil. Segundo Mima, o Festival nasceu como uma estratégia de pesquisa, como um experimento para conhecer essa nova área de interesse que vem surgindo nas universidades. 'Desde que começamos a desenvolver esse estado em 2005, usando a lncubadora virtual de Conteúdos Digitais da FAPESP como suporte, recebemos e-mails de estudantes de graduação e pós-graduação das mais variadas áreas interessados no levantamento e especialmente no desenvolvimento de games", afirma a professora. "Investimos na hipótese de que o Festival poderia ser um meio de conhecer e estimular a demanda crescente em torno dos jogos eletrônicos dentro das universidades", completa. Equivocado está quem pensa que as portas se fecham para os que já terminaram seus cursos. No Game_Cultura, festival promovido pelo Sesc Pompéia em São Paulo, durante o mês de julho, mesmo quem não possui nenhuma relação com universidades pode participar O Mostra Brasil, seção dentro do festival voltada á produção independente de jogos, funciona como uma forma de incentiva á prática. "Resolvemos investir este ano na festival graças ao sucesso da edição do ano passado. Tivemos um grande público e uma boa visibilidade", explica Salete dos Anjos, coordenadora do Game_Cultura. Segundo Salete, concursos e mostras estimulam as que se interessam pelo assunto e servem de vitrine aos profissionais que estão começando. "O Anima Mundi é um ótimo exemplo e, por que não dizer, uma boa referência", ressalta a coordenadora. Diferente deste ano, em 20D5, D Game_ Cultura abordou o desenvolvimento de games de uma outra maneira, 0 enduro_ game cultura, como foi batizada a seção, era voltado ao seguinte desafio: produzir uma demo em 24 horas ininterruptas. Os vencedores foram as paulistas da equipe Star2play, que desenvolveram uma demo de um jogo para web chamado Malandro é o gato, que já nasce de bigode. "0k, tenho uma idéia fenomenal e um projeto completo, mas falta dinheiro para investir". Certamente esse argumenta é bastante conhecido dos que estão ligados ao mercado brasileiro de games, seja como estudante ou profissional. Urna boa alternativa para quem se encaixa no perfil é participar da segunda edição do JogosBr, concurso promovida pelo Ministério da Cultura e executada pela Associação Cultural de Educação e Cinema (Educine), em parceria com a Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogas Eletrônicas (Abragames). Além do apoio moral, os vencedores do concurso recebem um auxilio financeiro para a produção e finalização da demo ou do jogo completa. A edição deste ano já foi encerrada e os ganhadores, divulgados no site oficial do concurso (www.jogosbrorg.br ). Agora, se eles vão dar certo, só o tempo vai dizer.