Notícia

E-Commerce News

Concil recebe investimento do fundo de inovação paulista

Publicado em 18 fevereiro 2015

A Concil, empresa especializada em inteligência de conciliação bancária e conciliação de cartão de crédito e débito, anuncia a entrada de um novo investidor: o Fundo de Inovação Paulista, idealizado pela Desenvolve SP – Agência de Desenvolvimento Paulista.

O recurso aportado, em uma rodada de R$ 1 milhão complementar a de R$ 4 milhões já realizada no ano passado pelo fundo DGF Inova, braço de venture capital do DGF Investimentos, visa apoiar a companhia a dar sequência em seu plano de negócios, que prevê alcançar 100 mil clientes nos próximos três anos.

Para Leonardo Campelo Jr., CEO da Concil, a chegada do Fundo de Inovação Paulista vem trazer ainda mais combustível para consolidar a atuação da empresa no segmento de conciliação e gestão de recebíveis.

“Com o crescimento do mercado de pequenas e médias empresas, nossa solução continuará tendo uma grande aceitação na medida em que se torna essencial para gerenciar o fluxo de caixa com uma visão detalhada e consolidada do que tem a receber dos adquirentes de cartões e quando irá entrar na conta corrente, quais são as taxas aplicadas por cada uma das bandeiras, se houve cancelamentos de compras e por quais motivos, quais são os impostos devidos e se há ou não necessidade de antecipar os recebíveis”, assinala. “A partir de uma gestão mais eficaz, nossos clientes minimizam perdas e melhoram seus ganhos, já que têm uma visão mais clara e evitam realizar operações financeiras desnecessárias, além de diminuir riscos de equívocos fiscais”, completa.

Para o presidente da Desenvolve SP, Milton Luiz de Melo Santos, o investimento em tecnologia irá garantir que o Estado de São Paulo continue na vanguarda do desenvolvimento do País. “Investir em uma empresa como a Concil sinaliza o compromisso da Desenvolve SP e do Governo de São Paulo com o incentivo da produção de tecnologia. Este é mais um passo rumo ao nosso objetivo, que é oferecer condições para que os nossos principais centros de pesquisa do Estado se tornem celeiros de empresas de alto valor agregado”, diz.

Fundada em 1993 com a marca Ainstec, a Concil desenvolveu em sua software house um sistema de conciliação contábil totalmente parametrizável e que pode ser integrado com os principais ERPs, como Oracle, SAP, Protheus e JDE. Sua ferramenta Concilia Contábil utiliza a tecnologia do banco de dados Oracle, permitindo automatizar a conciliação de grande volume de dados em tempo real a partir de regras definidas pelo próprio usuário.

No caso dos cartões, o sistema Concilia Card concilia os movimentos do que a empresa tem a receber com o efetivamente recebido, bem como dos cancelamentos e chargebacks, viabilizando através de relatórios detalhados um total controle das transações e uma leitura e interpretação dos dados para as melhores tomadas de decisões financeiras.

Segundo Francisco Jardim, sócio-fundador da SP Ventures, gestora do fundo e responsável pela seleção da Concil, a empresa se tornou atraente por conta do grande potencial que oferece em uma área de atuação que é essencial para saúde financeira das pequenas e médias empresas.

“Gerenciar toda cadeia de pagamentos é cada vez mais complexo. São muitas as fontes geradoras de receita, seja crédito, débito ou meios de pagamento on-line, e fazer uma gestão cuidadosa e que traga impactos positivos no caixa dos pequenos e médios negócios é sempre um desafio. Com a solução da Concil, as empresas têm a visão necessária do fluxo de recebíveis em um painel simples que deixa a gestão da cadeia de pagamentos totalmente transparente”, pontua.

Estimativas indicam que no Brasil há 6 milhões de empresas que aceitam pagamento com cartões de crédito e débito, mas somente 3 mil recebem extratos eletrônicos e apenas uma pequena parcela faz conciliação, comprovando o grande potencial para solução da Concil, que hoje reúne uma carteira com cerca de 3 mil estabelecimentos usuários de sua solução.

Investimentos futuros

Além da Desenvolve SP, o Fundo de Inovação Paulista tem como investidores o Sebrae-SP, FAPESP, FINEP e a Caixa Andina de Fomento (CAF). O Fundo faz parte do Programa São Paulo Inova, do Governo do Estado de São Paulo. Seu objetivo é investir em pequenas e médias empresas e startups de base tecnológica, ampliando as ações do Governo Estadual no fomento à inovação. O Estado de São Paulo é responsável por mais da metade da produção científica do país, além de contar com grande número de parques tecnológicos e incubadoras.

Ao todo, entre 18 a 22 pequenas empresas, com atuação em áreas como tecnologia da informação (TI), nanotecnologia, fotônica e ciências da vida, e com faturamento anual de até R$ 3,6 milhões, devem ser selecionadas pelo fundo para receber investimento.