Notícia

TV TEM (São José do Rio Preto, SP)

Concerto de jovem violonista traz canções renascentistas e barrocas

Publicado em 04 dezembro 2006

João Aris Valle Kouyoumdjian durante entrevista; o violonista, que desponta na carreira como solista e camerista, se prepara para mestrado nos Estados Unidos

Jovem e talentoso. Assim é o músico rio-pretense João Aris Valle Kouyoumdjian, que às 20h30 de hoje realiza um recital de violão no Teatro Municipal de Rio Preto.
Apaixonado por música desde criança, o violonista que desponta na carreira como solista e camerista, escolheu a guitarra como seu primeiro instrumento. "Mas aos 15 anos me envolvi com o violão. Primeiro foi o popular e, depois de dois anos, o clássico", conta.
Para o repertório da apresentação de hoje o jovem, que cursa o 4º ano do Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da USP, prepara clássicos renascentistas e barrocos.
"Devo muito do que aprendi de violão clássico ao araraquense Paulo Martelli — um violonista de reputação internacional, que viveu 10 anos nos Estados Unidos. Ia até Araraquara fazer aula com ele. Posso dizer que ele é meu mentor", afirma João, que também dedica suas conquistas aos pais.
O violonista, que já esteve no exterior três vezes como bolsista de seminário de violão, duas em Nova York e uma na Espanha, conta que seus planos a curto-prazo. "Pretendo fazer um mestrado em performance nos Estados Unidos", diz.
Mas João não se interessa apenas pelo mundo prático da música. Esforçado, ele estuda sua área com muito profundidade. "O Brasil é um país de muitos talentos, mas o ensino é precário. Existem bons profissionais, mas poucas chances".
Para o recital de hoje, o violonista leva obras de J.Sebastian Bach, Antonio Vivaldi e J. Dowlande, entre outros compositores e estilos. "Já me apresentei aqui, mas trago novidade", diz o idealizador e organizador do 1º Festival de Violão Amadeus Mozart, em Rio Preto.

Elogio de Dinorath do Valle
"Ouvi João e tive o estalo. Ele sabe de si mesmo mais do que supõe. Ele impõe suavemente sua ilusão particular, tem talento natural". O trecho acima é de uma carta que a saudosa Dinorath do Valle escreveu ao jovem músico após ouvir um CD com seu trabalho. "Ela indicava livros de músicas para eu ler e me dava muita força nas horas difíceis", afirma o violonista, ressaltando que guarda a carta de Dinorath até hoje.
Na carta, a escritora diz que João abriu mão do certo pelo duvidoso, e colocou seus sonhos a trabalhar como um tecelão faz com seus fios. "Ela é uma pessoa fundamental" , diz. "Tive pessoa boa em minha vida".

Raio-X
Livros
- Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado de Assis
- Crime e Castigo, Fiódor Dostoiévisk
Clássicos
- J. Sebastian Bach/ J. Brahms
Contemporâneos
- João Gilberto
- Tom Jobim
Lugar
- Estados Unidos
- Jardim da casa da minha avó Geni
Projeto
- Projeto de iniciação científica com bolsa da Fapesp. O tema da pesquisa é a descrição do processo de transcrição da Sonata II para violino solo BWV 1003 em lá menor de J. S. Bach para violão.