Notícia

Cruzeiro do Sul online

Concerto da Sinfônica traz sonoridade do oriente

Publicado em 22 setembro 2011

Por Maíra Fernandes

Uma mistura inusitada é o destaque de hoje e domingo dos concertos da Orquestra Sinfônica de Sorocaba, que terá como atração especial o músico Rafael Hirochi tocando o shakuhachi, flauta tradicional japonesa.

"É um tanto audacioso, pois não é comum", fala ele sobre a mistura do instrumento tradicional da cultura oriental com uma orquestra ocidental. Porém, ele adianta que a flauta, utilizada para fazer música folclórica e de teor religioso no Japão há algum tempo, vem sendo mesclada a outros instrumentos. "Ela tem afinação diferente dos ocidentais, por isso não é tão fácil tocar as músicas, mas estamos ensaiando bem", pondera o músico sobre o desafio de dividir o palco com a orquestra sorocabana.

A mistura levará à Sala Fundec um tom do oriente, pois como explica o músico, o shakuhachi, que teve suas origens na China e foi introduzido no Japão no século 7, caracteriza-se por uma sonoridade rica em harmônicos e já fez parte da música de corte e também foi tocado por monges. Não por menos, tamanha a importância do instrumento na cultura japonesa.

Para os concertos de hoje e domingo, sob regência de Eduardo Ostergren, a abertura será com a sinfonia "Singulière", de Franz Berwald, e "Andante em Dó Maior", de Wolfgang Amadeus Mozart. Em seguida, Hirochi junta-se à Orquestra Sinfônica de Sorocaba para tocar a música folclórica japonesa "Shimbara no Komoriuta", com solo de shakuhachi. No encerramento do concerto, o solista toca "Yamagoe" na flauta japonesa.

"No Brasil, apesar de ter a maior colônia japonesa fora do Japão, o shakuhachi não é popular, mas aqui existem vários estilos e fabricantes da flauta", fala o músico que só enveredou para o lado do instrumento em 2008, quando nas comemorações do Centenário da Imigração Japonesa no Brasil. Ele, que toca flauta transversal, foi provocado a incluir também a flauta japonesa. "Isso me deixou muito incomodado pois eu não sabia o que era, então comecei a fazer uma pesquisa", relata ele, que ainda conseguiu uma bolsa de pesquisa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) para aprofundar os estudos no instrumento. "Assim fui me apaixonando", declara ele sobre a flauta que foi adaptada em meados de 1600, passando a ser fabricada a partir da raiz do bambu. Na época, o uso da flauta japonesa passou a ser monopolizado pelos monges komuso, da seita budista fuke, que utilizavam o instrumento em suas práticas religiosas. Com a dissolução da seita no início da Era Meiji, surgiram várias escolas e estilos de tocar shakuhachi.

Maíra Fernandes
maira.fernandes@jcruzeiro.com.br

Serviço

Os concertos da Orquestra Sinfônica de Sorocaba ocorrem hoje, às 20h, e domingo, às 18h, na sala Fundec, que fica na rua Brigadeiro Tobias, 73, Centro.

Os ingressos custam R$ 2 e outras informações podem ser obtidas pelo telefone (15) 3233-2220 ou pelo site: www.fundecsorocaba.com.br.