Notícia

Future Health

Como um grupo de WhatsApp salvou a Magnamed do desafio de quintuplicar sua produção de ventiladores pulmonares

Publicado em 17 junho 2021

Cláudia de Castro Lima | 17 jun 2021

No começo de 2020, a Magnamed era uma fábrica de ventiladores pulmonares com uma rotina relativamente tranquila e absolutamente sob controle, localizada em Cotia, na Grande São Paulo. Mas tudo mudou no segundo trimestre, com o início da pandemia de Covid-19.

No organismo humano, o vírus Sars-CoV-2 pode provocar um estado inflamatório nos pulmões, comprometendo sua função principal de oxigenar o sangue. O quadro resulta em insuficiência respiratória, que causa a famosa sensação de falta de ar.

Entre os pacientes diagnosticados com Covid, cerca de 5% precisam de cuidados intensivos – e a maioria dos indivíduos que vai para a UTI necessita de um ventilador mecânico.

Por isso, a Magnamed, principal fabricante do aparelho no país, foi catapultada a protagonista dos esforços do governo no combate à pandemia ao receber um pedido de 5 mil respiradores para serem entregues em seis meses. O problema: sua capacidade produtiva girava entre 160 e 200 equipamentos por mês.

A demanda, o principal desafio de uma história de 15 anos, teve um final feliz graças a um grupo de WhatsApp – e ao networking dos três engenheiros que fundaram a Magnamed.

APORTE DEU FÔLEGO A UMA IDEIA

Colegas do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), os engenheiros Tatsuo Suzuki e Wataru Ueda trabalhavam juntos nos anos 1990 em uma empresa que fabricava equipamentos de ventilação hospitalar.

“Com o espírito empreendedor que tinham, viram que havia potencial para desenvolver produtos com tecnologia mais específica. Então decidiram sair de lá”, conta Toru Kinjo, o terceiro elemento a compor a sociedade.

Formado pela Poli-USP (Escola Politécnica da Universidade de São Paulo), Kinjo juntou-se à dupla seis meses depois, em outubro de 2005 – e assim estava criada a Magnamed.

“O grande objetivo da Magnamed era projetar um equipamento de ventilação de emergência que resolvesse problemas que a equipe clínica costumava ver como, por exemplo, peso, complexidade, custo e duração da bateria”, afirma Kinjo.

Segundo o cofundador, no início a Magnamed queria centrar sua atividade na redução do tamanho de peças de equipamentos médicos, mas acabou encontrando seu filão nos ventiladores – ramo no qual Ueda e Suzuki já tinham experiência.

Com o plano de negócio desenhado, os empreendedores pensaram nos próximos passos – o que incluiu a ideia de participar de um processo de incubação. No ano seguinte, o projeto foi selecionado para integrar o Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia, baseado na USP.

“Lá, a empresa passou a fazer a pesquisa e desenvolvimento do produto, colocando em prática nossa ideia de negócio”, relembra Kinjo.

Foram dois anos de incubação, com pesquisas financiadas por entidades como CNPQ, Fapesp e Finep. “A gestora KPTL começou a investir na então startup em 2008 por meio do Criatec , um fundo de investimento que tinha 80% de seus recursos provenientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e 20% do Banco do Nordeste”, explica o empreendedor.

O aporte do Criatec deu um novo fôlego ao negócio, que já se encontrava sem muitos recursos para continuar o desenvolvimento. “No fim de 2008, o chamado OxyMag estava finalizado e a primeira fábrica na Magnamed foi montada em Cotia”, diz Kinjo.

Os três fundadores (em pé) na fábrica em Cotia

OXYMAG: O PRIMOGÊNITO DA FAMÍLIA

O Ventilador Eletrônico de Transporte e Emergência OxyMag pertence à família de equipamentos para suporte ventilatório de pacientes com insuficiência respiratória.

“Ele controla o volume e a pressão e é ciclado a tempo, que é a forma como a máquina passa ao ciclo respiratório seguinte”, explica o cofundador. “Ele atende desde paciente neonatal e infantil até adulto e adultos portadores de obesidade mórbida.”

O OxyMag interage com o paciente através de uma interface, invasiva ou não, que fornece o ar do ventilador para as vias aéreas do paciente. “Ele fornece uma mistura de ar ambiente com oxigênio em concentrações ajustadas pelo operador”, conta Kinjo.

Além disso, ele continua, realiza o controle de fluxos e pressões no circuito respiratório para prover as modalidades de ventilação adequadas para a condição do paciente.

O OxyMag e o FlexiMag Plus , desenvolvido para fornecer suporte ventilatório invasivo e não-invasivo e destinado a UTIs, foram os dois modelos encomendados pelo governo federal em abril deste ano, para serem entregues em 180 dias.

“Nenhum de nós, fundadores, imaginava enfrentar uma emergência que nos obrigasse a multiplicar por mais de 30, do dia para a noite, a capacidade de produção da Magnamed”, afirma Kinjo.

O Ministério da Saúde pediu 5 mil ventiladores, mas, com a capacidade então instalada, a empresa poderia entregar cerca de 1.200 apenas. O que ocorreu em seguida foi uma grande mobilização.

“No minuto seguinte, uma rede de grandes amigos e ex-colegas de ITA no WhatsApp se prontificou a ajudar”, conta Kinjo. “O primeiro foi Walter Schalka, da Suzano ”, revela.

No fim, Ueda, Suzuki e Kinjo conseguiram juntar nove empresas para trabalhar nesse projeto. “Entre elas, as concorrentes Suzano e Klabin, Embraer, GM, Flex, Banco Votorantim e Positivo”, diz o cofundador.

“Elas ajudaram na logística, na fabricação e no projeto, e colocaram uma estrutura em marcha em tempo recorde.”

Durante essa grande crise, a Magnamed identificou novos fornecedores que poderiam ajudar a diminuir seus custos no futuro e descobriu gargalos na produção.

“A empresa comemorou seus 15 anos com uma grande batalha vencida brilhantemente. Não foi nada fácil estar diante de um desafio tão intenso e em tão pouco tempo colocar tantas estruturas em funcionamento para poder expandir tão rapidamente a linha de produção.” Mas deu certo.

CRESCIMENTO CONTÍNUO E LANÇAMENTO

Antes da pandemia, o Brasil tinha um parque instalado de 66 mil ventiladores mecânicos. Em setembro, ele havia subido para 82 mil respiradores, segundo o Ministério da Saúde.

“Mas acredita-se que o número seja maior, porque as autoridades de saúde ainda não reportaram todos os equipamentos comprados”, diz Kinjo.

Ele e seus sócios planejam continuar crescendo este ano. Como, sem o pedido emergencial do governo? “Por causa da pandemia, as vendas para o setor privado, que representavam 50% da receita da Magnamed, ficaram congeladas”, diz Kinjo. “Agora, elas vão ser retomadas.”

O faturamento da Magnamed, com o maior pedido de sua vida, saltou de R$ 50 milhões em 2019 para R$ 340 milhões no ano passado.

“Hoje a Magnamed exporta o OxyMag para 60 países, e as exportações representam quase ? das vendas da empresa”, afirma Kinjo. “O mercado mundial representa cerca de US$ 5 bilhões – ou seja, ainda há muito a crescer.”

Segundo ele, o Brasil tem tradição no aperfeiçoamento da ventilação pulmonar no mundo. “Também dá para dizer que temos um dos melhores grupos de pneumologistas do mundo. Temos condição de continuar desenvolvendo tecnologia para o mundo todo.”

É preciso, acredita ele, aprimorar nossa percepção de produto, já que aqui no Brasil “o mercado privado acha que tudo o que vem de fora é melhor”.

“Porém, muitos hospitais e secretarias de Estado já perceberam que o OxyMag é o melhor aparelho da categoria”, afirma.

Em maio, a empresa lançou a linha FlexiMag MAX , que conta com sistema avançado de comunicação, interface intuitiva e monitorização protetora e é destinada a UTIs.

A nova linha tem três modelos, o Fleximag MAX 300, 500 e 700. O mais completo deles, o Max 700 conta com modos avançados, recursos para desmame ventilatório, módulo neonatal, rede de gases e sistema Flow Air.

“Outro ponto que reforça o otimismo dos fundadores da Magnamed é que a companhia conseguiu quebrar a resistência de profissionais brasileiros da área de saúde, que preferiam trabalhar com equipamentos importados”, afirma Kinjo.

“Queremos lutar pelo reconhecimento da qualidade nacional e corrigir a desinformação quanto à qualidade dos nossos produtos. Por exemplo, na Alemanha todos perguntam primeiro pelo produto nacional, considerado melhor.” Esse é o próximo desafio que a Magnamed quer vencer.