Notícia

TN Sustentável

Como superar a crise das cidades

Publicado em 08 junho 2015

Por Heitor Shimizu, da Agência FAPESP

O urbanismo é uma ciência que se desenvolveu a partir de um momento de crise. Mais especificamente, a crise da cidade medieval tradicional que, durante o século 19, teve que se adaptar rapidamente às demandas da produção industrial e às suas consequências no âmbito do sistema capitalista.

“Essa crise foi resolvida? Claro que não”, disse Leandro Medrano, professor do Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP).

“Cidades por todo o mundo, em particular as grandes metrópoles, mostram que os conflitos estão aumentando. Problemas relacionados à mobilidade, recursos naturais, preservação ambiental, poluição, saúde pública, falta de moradias e violência, entre outros, são frequentemente abordados por aqueles que estudam o espaço urbano”, disse em palestra na FAPESP Week Barcelona, realizada nos dias 28 e 29 de maio de 2015 na capital da Catalunha.

“A crise das cidades tem estado por trás das novas demandas sociais, urbanas, tecnológicas e políticas, em um fenômeno observado em todo o mundo, não apenas nos países em desenvolvimento”, destacou Medrano.

O pesquisador lembrou que o urbanismo surgiu como ciência em 1857 – quando o engenheiro catalão Idelfonso Cerdá escreveu o “Tratado Geral da Urbanização”, que formou a base do desenvolvimento industrial em Barcelona –, enfocando a base da civilização ocidental: a cidade.

“Foi na cidade que as ciências emergiram. É o local da modernidade e da urbanidade e, hoje, a urbanidade está espalhada pelo mundo. Vivemos em um mundo urbano, intensamente interligado por conexões reais e virtuais”, disse.

“Quando falamos em crise das cidades, não nos referimos a algo limitado a uma única estrutura disciplinar. Trata-se de um problema geral que afeta todo o conhecimento, envolvendo política, sociedade, economia, filosofia e as demais ciências”, disse.

Medrano aponta que o Brasil, onde a população urbana atingiu os 84%, está se tornando um importante laboratório para pesquisar o urbanismo, especialmente a capital paulista.

“São Paulo passou de vila para metrópole em menos de um século. Era impossível controlar o crescimento da cidade com os instrumentos disponíveis para o urbanismo, em particular entre as décadas de 1930 e 1970, quando recebeu milhões de migrantes de outras partes do Brasil e do mundo”, disse.

Mas, desde a década de 1980, o crescimento demográfico tem diminuído em São Paulo. Segundo o professor da FAU, o Brasil como um todo tem sido mais bem-sucedido na distribuição de indústrias e de serviços por seu território, enquanto as taxas de natalidade caíram.

No Brasil e na Espanha

Pesquisa feita por Medrano ressalta diferenças da São Paulo do século 21 com a do século anterior, entre as quais estão o aumento do PIB, a desindustrialização, a nova valorização das áreas centrais, a participação no sistema global e grandes investimentos imobiliários.

“Esse novo cenário implica que a cidade e aqueles que pesquisam seu urbanismo têm adotado mudanças significativas em estratégias para compreender e para desenvolver projetos para a cidade”, disse.

Segundo Medrano, nesse processo a cidade passa a ser uma “São Paulo compacta”. “A cidade para de se expandir e busca se reorganizar, ou reurbanizar seus territórios. As áreas centrais, os prédios antigos e projetos para a recuperação urbana são agora preferidos em detrimento das novidades ‘modernas’. A cidade passa a procurar uma forma mais compacta, densa e multifuncional que possa beneficiar sua riqueza cultural e sua diversidade social”, disse.

“Em habitações públicas e sociais, que representam meu principal foco de pesquisa, também tem havido mudanças significativas. Os grandes empreendimentos residenciais e os complexos em áreas suburbanas têm dado espaço para projetos e políticas que valorizam áreas mais próximas do centro da cidade, com melhor infraestrutura urbana e acesso ao transporte público”, disse.

Nesse novo cenário, as colaborações com pesquisadores europeus têm sido muito bem-sucedidas, aponta Medrano. “O conhecimento desenvolvido nas reconstruções e na reurbanização na Europa, sobretudo nos centros históricos e nos prédios de importância histórica, é um importante ponto de referência em nossa pesquisa”, disse.

“De outro lado, a complexidade e o fôlego dos assuntos com que o Brasil tem de lidar resultam em soluções originais e fornecem novos tópicos de pesquisa. Isso tem despertado o interesse de pesquisadores de muitas regiões”, disse.

Medrano falou sobre a pesquisa que conduz junto com colegas da USP e da Unicamp, com apoio da FAPESP, que envolveu um estudo de moradias sociais desenvolvidas no Brasil.

“O trabalho, que também contou com a participação de um grupo da Escuela Superior de Arquitectura da Universidad Politécnica de Madrid, envolve a produção de um repertório crítico das principais experiências arquiteturais e urbanas dos séculos 20 e 21 em políticas habitacionais para populações de baixa renda, na Espanha e no Brasil”, disse.

A pesquisa resultou em um conjunto de periódicos que reúnem informações sobre complexos habitacionais. São informações técnicas (dados quantitativos de prédios e de suas implementações), iconográficas (fotografias de época), gráficas (redesenho das plantas dos prédios em um padrão único) e historiográficas (textos críticos publicados), disse.

De acordo com Medrano, esse material serve de guia para estudantes, profissionais e servidores públicos interessados no planejamento e na promoção de políticas habitacionais para populações de baixa renda.

“Esse é um assunto de extrema importância no Brasil e que tem sido bem desenvolvido na Espanha, especialmente na segunda metade do século 20”, disse.

Por: Redação TN / Agência FAPESP