Notícia

Jornal do Commercio (PE) online

Como era o mundo sem internet - II

Publicado em 21 novembro 2008

A Bitnet, também conhecida como Because It's Time Network, era uma rede de computadores de grande porte, que transportava mensagens de correio eletrônico. Ela usava tecnologia desenvolvida pela IBM, principalmente o protocolo Network Job Entry (NJE), e deu origem ao programa listserv para a manutenção de listas de debates. Seu atrativo foi a sua simplicidade de adesão e operação, principalmente para instituições que possuíssem um computador da IBM.

A Bitnet era administrada pela Corporation for Research and Educational Networking (CREN), de Washington, EUA, e era usada para fornecer serviços de correio eletrônico e de transferência de arquivos entre computadores de grande porte em instituições educacionais e de pesquisa na América do Norte, na América do Sul, Europa e Japão. Chegou a alcançar mais de 2.500 universidades e institutos de pesquisa em todo o mundo.

A NSFNET, que faria parte da Internet, usava a família de protocolos TCP/IP, desenvolvida a partir dos projetos da Defense Advanced Research Projects Agency (Darpa). Esse protocolo permitiria várias aplicações via rede, especialmente o uso interativo de computadores remotos (Telnet), a transferência de arquivos, conhecida como File Transfer Protocol (ftp), e, a partir da década de 1990, a consulta interativa a bases de informação da World Wide Web (www), além do correio eletrônico.

Em função da importância para a comunidade acadêmica da utilização de redes de computadores, na década de 1980 já estavam sendo preparados diversos projetos nessa direção, no Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) do CNPq, na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Foi realizada na Universidade de São Paulo (USP), em outubro de 1987, a primeira reunião para discutir o estabelecimento de uma rede nacional para pesquisadores, com acesso a redes internacionais. Participaram da reunião as instituições de pesquisa, agências de fomento e a Embratel. A rede visava permitir o amplo acesso de membros da comunidade de pesquisa à Bitnet, usando as facilidades do LNCC, por meio discado, ou por intermédio da Rede Nacional de Pacotes da Embratel (Renpac).

O serviço de troca de mensagens para o público universitário no Brasil começou em meados de 1987, com a chegada da Bitnet. Após oito meses de conexão, a rede chegou a 110 nós, em  janeiro de 1988, quando foi tomada a decisao de usar a Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp) para implementar uma ligacao internacional para as universidades do Estado.

A Embratel, preocupada com o monopólio que tinha na área, somente admitiu o transporte de tráfego de terceiros pelas redes da comunidade acadêmica e de pesquisa em outubro de 1988, um mês depois do estabelecimento da primeira conexão internacional. Assim, a primeira conexão estabelecida com a Bitnet, com taxa de 9.600 bauds, ou símbolos por segundo, foi feita entre o LNCC, no Rio de Janeiro, e a Universidade de Maryland, nos EUA.

Teve início, então, a negociação com o Comitê Central da rede Bitnet (Educom). O ponto de entrada foi colocado no Fermi National Laboratory (Fermilab), que dispunha de uma plataforma Vax (Vax 750) e um contato de cooperação firmado com o Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IFUSP).