Notícia

O Estado de S. Paulo

Com harmonia, sambistas levam ‘vida dupla’

Publicado em 03 fevereiro 2016

Por Edison Veiga
Se “quem não gosta de samba bom sujeito não é; é ruim da cabeça ou doente do pé”, o que mais o médico psiquiatra Rui Ribeiro ouve de seus pacientes é: “Doutor, o senhor não vai abandonar a medicina, não é?”. O receio tem lá seus fundamentos: quando tira a roupa branca e coloca um chapéu, Ribeiro é sambista. Dos bambas. Está gravando o 11.º disco, Meu Coração Nasceu Para Batucar. “Há um elo comum entre as minhas duas atividades: o sentimento humano”, filosofa, descartando qualquer possibilidade de aposentar o [...]

Conteúdo na íntegra disponível para assinantes do veículo.