Notícia

Gazeta do Povo online

“Coisas” do dia a dia

Publicado em 18 agosto 2015

Longe de ter algum interesse no(s) assunto(s), mas, espremido no ônibus, o cabôco é forçado a ouvir compulsoriamente as coisas mais disparatadas.  Dias desses, a bordo do busão Santa Cândida-Capão Raso, professor Afronsius foi obrigado a ouvir o seguinte comentário de uma passageira, um primor:

– Bom mesmo era no tempo da ditadura militar. A gente em casa podia dormir com a porta aberta. Não havia ladrão.

Na falta de uma providencial campainha, professor Afronsius viu-se forçado a aguardar a primeira parada numa estação-tubo. E tratou de completar a viagem a pé.

– Primeiro porque a ditadura não foi militar, mas sim ditadura civil-militar, como bem demonstrou Beatriz Kushnir, mestre em História Social pela Universidade Federal Fluminense e doutora em História Social do Trabalho pela Unicamp, autora de Cães de Guarda – jornalistas e censores, do AI-5 à Constituição de 1988, Fapesp/Boitempo Editorial, 2004.

Ainda sobre o bombardeio de conversas alheias, Beronha aproveitou para contar que ficou sabendo da última em matéria de moda masculina: pulseiras. Isso mesmo. E com a inquestionável garantia de um fabricante:

– 30 pulseiras que darão um upgrade no seu pulso.

Depois de perguntar o que vem a ser upgrade, não deixou por menos:

– Pulso? Ótimo. Mas existe upgrade para o bolso? A minha carteira anda vazia faz tempo…

Natureza Morta, por sua vez, aconselhou prontamente um crowdfunding, mas o nosso anti-herói de plantão continuou boiando.