Notícia

Correio Popular online

CNPq reajusta valor de auxílio a bolsistas

Publicado em 18 julho 2005

Por Nice Bulhões, da Agência Anhangüera (nice@rac.com.br)

Vencimento mensal subiu de R$ 241,00 para R$ 300,00; número de estudantes beneficiados também cresceu em todo o País

Os acadêmicos de graduação inscritos no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic) obtiveram uma grande vitória com o aumento de cerca de 24,5% no valor do auxílio mensal oferecido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT). O valor subiu de R$ 241,00 para R$ 300,00. Além do reajuste a ser recebido a partir de agosto, o CNPq aumentou o número de alunos beneficiados — de 19 mil para 20 mil, em todo o País. O investimento será de R$ 56 milhões, de acordo com asssessoria de imprensa do CNPq.
Em Campinas, a Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas) foi contemplada com o aumento de bolsas, passando de 52 para 62. A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) manteve a quantidade de bolsistas, que quase dobrou de 2003 para 2004. Ninguém da União Nacional dos Estudantes (UNE) foi localizado ontem para falar sobre o assunto. Os bolsistas do Programa de Iniciação Científica Júnior — voltado a estudantes do Ensino Médio — também terão o auxílio mensal reajustado dos atuais R$ 80,00 para R$ 100,00.
"O reajuste do Pibic, que demorou oito anos para sair, é positivo porque contribui e estimula ainda mais os jovens universitários", disse Rebeca Macedo Costa, do curso de psicologia da PUC-Campinas. "Ainda é pouco o aumento pelo o que significa o trabalho, mas já é um passo." Jaciara Näf Cerqueira, que faz o mesmo curso e na mesma universidade, tem a bolsa desde 2002. "É pouco o reajuste, mas irá ajudar muito, principalmente, na participação de congressos."
O coordenador de Iniciação Científica da PUC-Campinas, Dalmo Mandelli, afirmou que o aumento é conseqüência das avaliações da produção científica da universidade realizadas por comissões do próprio CNPq. Além do Pibic, 130 bolsas são financiadas pelo Fundo de Apoio à Iniciação Científica (Fapic) da própria PUC-Campinas e dez oferecidas pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Mandelli viaja hoje com alguns estudantes para Fortaleza (CE), onde participam da 57 Reunião da Sociedade Brasileira para Progresso da Ciência (SBPC).
Para o assessor da Pró-Reitoria de Pesquisa da Unicamp, Paulo Mazzafera, o reajuste nas bolsas do Pibic é pouco, mas é preciso levar em consideração que o recurso é um auxílio e que as cotas foram ampliadas em todo o País. "A Unicamp tem 516 bolsistas pelo Pibic/CNPq; cerca de 240, financiados pela própria instituição, através do Serviço de Apoio ao Estudante (SAE); e 400 pela Fapesp", disse. "Em abril, trouxemos o diretor de Programas Horizontais do CNPq, José Roberto Drugovich de Felício, e reclamamos do valor do Pibic; parece que isto valeu a pena."