Notícia

Gazeta Mercantil

CNPq orienta projetos para setor privado

Publicado em 14 outubro 1998

Por Deise Leobet — de Brasília
Para transformar conhecimento em produção de bens, serviços e inovação tecnológica, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) está reformulando seus programas e promovendo mudanças na concessão de fomento para projetos de pesquisa. Através de acordos de cooperação entre o setor governamental e privado, as ações do órgão estão direcionadas para dez grandes programas voltados para o desenvolvimento estratégico do País. A meta é adequar a pesquisa nacional ao ritmo de progresso da economia mundial. Para tanto, estão sendo desenhados novos cenários de atuação que englobam as áreas de meio ambiente, agronegócios, informática, saúde, educação, engenharia, além das ciências biológicas, da terra, exatas, humanas e sociais. Em cima desses projetos, o órgão está organizando editais para a concessão de fomento e bolsas de estudo direcionadas para esses programas estratégicos. "Estamos estabelecendo uma rede de pesquisa voltada para trabalhos necessários ao progresso social, econômico e cultural do País, cujo objetivo é transformar os investimentos em ciência e tecnologia em resultados qualificáveis e quantificáveis", disse o presidente do CNPq, José Galízia Tundizi. Segundo ele, até o ano 2000 pelo menos 60% das bolsas serão concedidas através do processo de indução para os programas estratégicos. O restante, continuará atendendo a demanda espontânea. Até lá, a direção do Conselho pretende fazer uma distribuição mais eqüitativa dos investimentos entre as cinco regiões do País. Hoje quase 70% dos programas e bolsas do órgão são destinados para a região Sudeste. "A ordem é estimular projetos principalmente no Norte e no Nordeste". Todas essas mudanças integram as propostas inseridas no Planejamento Estratégico Institucional, que define uma nova política de atuação para o órgão. Elas compreendem um maior rigor na avaliação de projetos, reformulação completa para os cursos de doutorado, e a transformação do CNPq em agência executiva. Nessas definições estão sendo realizadas consultas aos governos, setor privado e sociedade civil.