Notícia

CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

CNPq: 60 anos de ciência - Educação é coisa séria, mas pode ser divertida

Publicado em 15 julho 2011

Brincar é uma das atividades mais importantes da infância. É brincando e jogando que as crianças criam, inventam, enriquecem o aprendizado e melhoram o seu relacionamento com o mundo. Inúmeros estudos educacionais vêm reforçando a importância dos jogos e materiais lúdicos na construção do conhecimento. O psicólogo e filósofo suíço, Jean Piaget, considerado um expoente no estudo do desenvolvimento cognitivo, já dizia que os jogos não podem ser vistos apenas como mero divertimento para gastar energia, pois eles favorecem também o desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo e moral.

Educação e Difusão de Ciências

Foi apoiando-se nessa e outras teorias educacionais que concluem a importância do lúdico no ensino, que o Centro de Biotecnologia Molecular Estrutural (CBME), com sede no Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo, criou em outubro de 2000, o projeto de Educação e Difusão de Ciências. Com a aprovação do Instituto Nacional de Biotecnologia Estrutural e Química Medicinal em Doenças Infecciosas (INBEQMeDI), um dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), financiados pelo CNPq/FAPESP, o grupo desenvolve e oferece aos estudantes, professores e toda comunidade, novos recursos didáticos, como mídias e jogos interativos, disponibilizados na web gratuitamente.

A coordenadora do projeto e bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq, Leila Maria Beltramini, afirma que projeto, atualmente, desenvolve recursos didáticos-pedagógicos nas áreas de Biologia Estrutural e Biotecnologia, aplicadas aos estudos de proteínas de alguns agentes causadores das principais doenças negligenciadas pelos grandes laboratórios farmacêuticos, como Doença de Chagas, Malária, Esquistossomose, Leishmaniose e Leptospirose.

"Transformamos idéias em recursos didáticos utilizando nossa experiência como professores da área e fazendo parcerias com profissionais de outras áreas. Estas atividades pedagógicas foram pensadas e desenvolvidas para serem utilizadas por professores em salas de aula e espaços interativos dedicados à educação e difusão das ciências", ressalta a coordenadora.

Desenvolvendo e avaliando um número considerável de recursos didáticos que são utilizados na educação em ciências, a coordenadoria de educação e difusão de ciências do CBME/INBEQMeDI, atualmente é uma referência nacional em sua área de atuação. Segundo Leila, muito dos materiais desenvolvidos foram analisados e aprovados pelo MEC e estão indicados no guia de Tecnologias Educacionais editado pelo MEC em 2009 e 2010. "Estes materiais foram avaliados quanto a sua utilização nos diferentes níveis de ensino, e os resultados foram publicados em revistas especializadas da área de educação em ciência e apresentados em reuniões científicas nacionais e internacionais", pontua.

Mídia interativa

Uma das mídias desenvolvidas pela equipe foi um software interativo sobre a Doença de Chagas, que conta com inúmeros recursos computacionais. Ao entrar no jogo, o usuário pode navegar em diversos cenários interessantes, no qual, ao clicar nos personagens e objetos da mídia, tem acesso a informações sobre aspectos diversos da Doença de Chagas. O assunto que faz parte do conteúdo a ser ministrado tanto no ensino fundamental como no ensino médio é ensinado de uma forma mais atrativa.

"Com uma linguagem simples e acessível, o estudante ou professor tem acesso a informações sobre como a doença foi descoberta, os tratamentos disponíveis, os meios de transmissão, os sintomas e como prevenir-se. O ciclo de vida do parasita e a importância do barbeiro é descrito de forma a informar com clareza a sua relação com os hábitos de moradores de regiões endêmicas. O objetivo da mídia é ensinar com prazer e diversão, já que utilizando jogos os conceitos trabalhados são adquiridos e assimilados de modo mais efetivo, se comparados ao ensino somente baseados em figuras dos livros didáticos", ressalta Leila.

O software que já está disponível para download no endereço http://cbme.usp.br/inbeqmedi/, vem sendo divulgado e distribuído em diversas escolas de ensino básico e instituições de ensino superior, tanto na área geográfica de São Carlos, como em outras cidades do Estado e outras regiões. "Neste último mês, estamos divulgando intensamente a mídia e orientando os professores a incentivar os alunos a navegar no software para pesquisar sobre a doença. Dentro de dois meses teremos milhares de cópias para serem distribuídas nas escolas de todas as regiões do país", diz.

Educação continuada

Os professores são os principais agentes para incentivar o interesse e a curiosidade dos jovens, nesse sentido, é preciso valorizar cada vez mais o trabalho destes educadores, dando especial atenção aos cursos de formação. "Nossa contribuição também atingiu a formação continuada de professores dos diversos níveis de ensino, em nossa área de atuação, particularmente no estado de São Paulo, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação. Já ministramos cursos para cerca de 1200 professores, em diferentes regiões do Estado entre 2009-2010. Este ano continuamos com este programa, atendendo três outras regiões, num total de cerca de 150 professores", destacou.

A pesquisadora afirma ainda, que o desenvolvimento social não ocorre nos países onde a educação, ciência e tecnologia não andam juntas. "Nosso desenvolvimento é a prova disso, somente quando o país despertou para a importância do desenvolvimento científico atrelado ao tecnológico é que começamos a melhorar numa série de índices. Ainda falta muito, mas o país caminha a passos mais acelerados, em relação ao seu desenvolvimento científico/tecnológico do que há 10 anos".

A pesquisadora finaliza afirmando que o apoio do CNPq e das demais agências de fomento Federais são fundamentais para o desenvolvimento da ciência e tecnologia no país. "Nos INCTs, a exemplo dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs/FAPESP) o CNPq teve e tem um papel central. Projetos em rede dão mais liberdade aos pesquisadores, fomentam o intercambio entre grupos, otimizam a aquisição e utilização de grandes e importantes equipamentos, além de serem estimulados a disseminar a ciência praticada em suas áreas de atuação. Disseminar não somente no sentido de educar, mas também de transferir ao setor produtivo os frutos de suas investigações científicas", conclui.