Notícia

Jornal da Cidade (Bauru, SP) online

Circuncisão e aids 3

Publicado em 16 julho 2006

Por Agência FAPESP

Segundo os pesquisadores, países do continente africano, como Somália e Costa do Marfim, onde a circuncisão é mais comum, têm menores taxas de infecção pelo HIV. Em locais onde menos homens são circuncisados, como a África do Sul, as taxas são maiores. A OMS aguarda resultados de dois outros levantamentos, que serão feitos pelo mesmo grupo no ano que vem, no Quênia e em Uganda, para decidir se passa a promover ativamente a circuncisão como estratégia de prevenção da aids. Para os pesquisadores, parece não haver mais dúvidas. O artigo "The potential impact of male circumcision on HIV in Sub-Saharan África" (O impacto potencial da circuncisão masculina no HIV na África Sub saariana), de Brian G. Williams e colegas, poderá ser lido gratuitamente pela Internet no endereço www.plosmedicine.org.