Notícia

Canal Executivo Blog

Cietec completa oito anos com faturamento recorde

Publicado em 11 abril 2006

O Centro Incubador de Empresas Tecnológicas (Cietec) completa oito anos de atividades em 14 de abril. Desde a sua criação, a maior Incubadora de empresas da América Latina vem contabilizando sucessos. No balanço do ano de 2005, as 105 empresas incubadas juntas tiveram um faturamento de R$ 25,6 milhões e geraram 527 postos de trabalho.
Esse faturamento representa um crescimento de aproximadamente 27% em relação a 2004, quando as empresas da Incubadora faturaram R$ 20,2 milhões. Desde 1999, o total do faturamento de todas as empresas que estiveram no Cietec soma R$ 71,2 milhões. Para 2006, as previsões são ainda mais otimistas. "Só com empresas do ramo de biotecnologia, medicina e saúde, esperamos uma receita de R$ 27 milhões, superior ao faturamento de toda a Incubadora em 2005", destaca Sergio Risola, gerente executivo do Cietec.
O total de impostos arrecadados nos quase oito anos de existência da maior Incubadora da América Latina é 4,25 vezes o valor investido pelo governo, feito através do convênio com o Serviço Brasileiro de Apoio a Pequena e Média Empresa de São Paulo (Sebrae-SP). Em dados absolutos, enquanto o Sebrae-SP investiu aproximadamente R$ 3,349 milhões, as empresas do Cietec recolheram mais de R$ 14,2 milhões em impostos. No último ano, essa proporção chega a 6,8 vezes.
"Esses dados comprovam que incentivar o empreendedorismo no Brasil vale a pena, traz benefícios para toda a sociedade" afirma Sergio Risola. "Além de gerar impostos, essas empresas estão desenvolvendo tecnologia de ponta nacional, substituindo importações, o que impacta positivamente na balança comercial do País, e ainda gerando empregos altamente qualificados", ele completa. De fato, até o final de 2005, R$ 6,17 milhões foram investidos em pesquisadores pela bolsa Recursos Humanos para Atividades Estratégicas/Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (RHAE/CNPq).
Além do apoio dos recursos de agências de fomento, como o CNPq e a FAPESP, Risola ressalta que a proximidade com a Universidade de São Paulo (USP) é fundamental para os novos empreendimentos surgidos no Cietec, seja pela disponibilidade de mais de 400 laboratórios, pela oferta de pesquisadores altamente qualificados ou pela participação efetiva da universidade no processo de seleção das novas incubadas.
Além de consultorias com gestores, o Cietec oferece aos empresários incubados cursos e palestras de capacitação para as mais diversas áreas relacionadas à gestão empresarial. Em 2005, foram 49, somando um total de 715 horas e 1.000 participantes. Outro apoio da Incubadora se dá no campo de proteção à propriedade intelectual. Nessa área, o Cietec tem convênio com duas empresas de renome internacional, para onde encaminha uma empresa incubada que precisa elaborar um pedido de patente, por exemplo. Até 2005, as empresas do Cietec possuíam 14 patentes registradas, 24 protocoladas, 18 marcas registradas e 37 marcas protocoladas.
O Cietec foi criado em abril de 1998 por um convênio entre a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, o Serviço de Apoio a Micro e Pequena Empresa de São Paulo (Sebrae-SP), Universidade de São Paulo (USP), Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).
As incubadoras são uma forma de incentivo ao desenvolvimento de tecnologia, muito popular no exterior, e que está se fortalecendo a cada dia no Brasil. Seu objetivo é incubar empreendimentos de base tecnológica para ampliar o índice de sobrevivência e a competitividade dessas empresas, objetivando o crescimento da economia brasileira, o aumento da geração de empregos qualificados e de melhores resultados na balança comercial brasileira.