Notícia

Vide Versus

Cientistas testam com sucesso em Ribeirão Preto terapia que usa células do paciente contra câncer

Publicado em 11 outubro 2019

Um funcionário público aposentado de Minas Gerais se tornou a primeira pessoa na América Latina a receber uma nova terapia celular que vem revolucionando o tratamento do câncer nos Estados Unidos e na Europa. Menos de 20 dias após ser submetido ao tratamento feito a partir das próprias células, o paciente já apresentava remissão da doença.

Vamberto Luiz de Castro, de 62 anos, estava em estado grave, com linfoma avançado que não respondia a nenhum dos tratamentos convencionais. Desenganado pelos médicos, com expectativa de vida de menos de um ano, ele foi submetido em caráter experimental à terapia, no dia 9 de setembro. A alta de Castro está prevista para este fim de semana. “Os gânglios no pescoço do paciente desapareceram, ele parou de tomar morfina para dor, ganhou três quilos, voltou a andar”, contou o hematologista Renato Cunha, diretor do Centro de Transplante de Medula do Hemocentro de Ribeirão Preto, um dos responsáveis pela experiência: “Temos todos os sinais de que o organismo respondeu; ou seja, conseguimos provar o conceito e mostrar que funciona muito bem”.

Tão importante quanto a melhora significativa do estado de saúde do paciente é o fato de a terapia ter sido inteiramente desenvolvida no Brasil, no Centro de Terapia Celular (CTC-Fapesp-USP) do Hemocentro, ligado ao Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. Com isso, o País se torna um dos poucos do mundo a dispor da tecnologia. A expectativa agora é de que o tratamento seja testado ao longo dos próximos seis meses em pelo menos outros dez pacientes e, no futuro, esteja disponível gratuitamente no Sistema Único de Saúde (SUS).

O tratamento usado pela primeira vez em São Paulo é feito com células T (do sistema imunológico) retiradas do próprio paciente e geneticamente modificadas. A função original dessas células é combater doenças. No entanto, muitos cânceres conseguem driblar esse mecanismo de defesa natural do organismo, tornando-se “invisíveis”. “É como se as células de defesa ficassem cegas para elas que conseguem, então, se proliferar”, explicou Cunha: “Quando fazemos a alteração genética, as células de defesa voltam a enxergar as células cancerígenas e podem destruí-las”. Os especialistas alteraram geneticamente as células T, com a inclusão de uma proteína específica que as torna mais sensíveis a determinados tipos de linfoma. As células alteradas e cultivadas em laboratório foram inseridas de volta no paciente por meio de uma infusão. Com a alteração genética nas células de defesa, elas passam a reconhecer mais facilmente as células cancerígenas e conseguem destruí-las.

“As células T modificadas passam a se multiplicar aos milhões no organismo do paciente, fazendo com que o sistema imune passe a identificar as células cancerígenas do linfoma como inimigos a serem atacados e destruídos”. Para Dimas Tadeu Covas, hematologista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e coordenador do CTC, desde o surgimento das terapias de anticorpos monoclonais, há cerca de sete anos, este é o maior avanço no tratamento do câncer. “Não tenho dúvidas de que esse é o futuro do combate ao câncer”, afirmou Covas: “As terapias com anticorpos monoclonais hoje são rotina no tratamento de vários tipos de câncer. Estou seguro de que vamos seguir o mesmo caminho com a terapia celular”.

A terapia usada com sucesso em caráter experimental no País já está disponível em alguns países do mundo, como Estados Unidos, Reino Unido, China e Japão. Ela é usada no tratamento de leucemias e linfomas. Nos Estados Unidos, o índice de remissão da doença, mesmo nos casos considerados terminais, é superior a 80% após 18 meses da infusão. Por enquanto, o trabalho ainda está em fase de pesquisa no Brasil. Nos próximos seis meses, outros dez pacientes devem ser testados. Se o sucesso do primeiro caso se confirmar, a terapia deverá então cumprir os requisitos regulatórios da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para ser oferecida na rede pública. “Os resultados da terapia celular para o tratamento das formas mais agressivas de câncer são tão espetaculares que seu desenvolvimento rendeu o Nobel de Medicina de 2018”, lembra o hematologista Renato Cunha, um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento da técnica brasileira.

O prêmio do ano passado foi para dois pioneiros das terapias celulares, o americano James Allison e o japonês Tasuku Honjo. A patente para a preparação das células, porém, pertence a dois laboratórios farmacêuticos. Por isso, tanto nos Estados Unidos quanto na Europa, o custo total do tratamento pode chega a US$ 1 milhão (cerca de R$ 4,16 milhões), tornando a terapia completamente inviável no País.

Por isso, os especialistas brasileiros decidiram desenvolver uma tecnologia nacional para a terapia celular, barateando os custos em até 90%. “Do ponto de vista da pesquisa médica, é um avanço enorme porque pouquíssimas companhias no mundo detêm essa tecnologia”, afirmou Tadeu Covas: “Mais do que isso, desenvolvemos a tecnologia, esse tratamento revolucionário, na área pública e nosso objetivo é oferecer no sistema de saúde”. Hoje, os tratamentos disponíveis no mundo são voltados só para linfomas e leucemias. No entanto, já há dezenas de estudos em todo o mundo e também no Brasil para outros alvos, como os chamados tumores sólidos.

Vitor Vieira é jornalista profissional desde 1968, tendo trabalhado em Zero Hora, Estadão Edição Esportiva (Estadinho), Agência Folhas, O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo, Veja, Diário do Sul. Chefiou a Comunicação Social da Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul, Secretaria da Justiça, Procuradoria do Estado e coordenou a Sub-Chefia da Casa Civil para Assuntos de Publicidade e Relações Públicas do governo gaúcho. Chefiou gabinetes de dois vereadores na Câmara Municipal de Porto Alegre. Há 15 anos atua como editor do site Videversus. Realizou coberturas jornalistas especiais na Argentina, Uruguai, África do Sul, Suécia, Dinamarca, Alemanha, Austria, Montecarlo, França, Bélgica, Holanda, Inglaterra, Espanha, Portugal, Estados Unidos e Canadá.