Notícia

Jornal do Commercio (RJ)

Cientistas descobrem novo tipo de supercondutividade

Publicado em 09 abril 2005

Cientistas americanos e sul-coreanos descobriram que flutuações magnéticas aparentemente são responsáveis pelo fenômeno da supercondutividade em um composto chamado plutônio-cobalto-pentagálio (PuCoGa5). De acordo com os pesquisadores, a descoberta dessa supercondutividade não-convencional pode levar à criação de uma nova classe de materiais supercondutores e até à tão sonhada síntese de supercondutores na temperatura ambiente.
O estudo, publicado na revista "Nature", foi conduzido por pesquisadores do Laboratório Nacional de Los Alamos, nos Estados Unidos, e da Universidade Nacional de Chonnam, na Coréia do Sul. O artigo descreve as evidências de como as flutuações magnéticas podem ser responsáveis pela união de elétrons que leva à supercondutividade no PuCoGa5.

Corrente elétrica
Supercondutividade é um estado incomum da matéria no qual a corrente elétrica circula sem resistência por um determinado material, como resultado dos elétrons desse material atuarem em pares. Desde a descoberta do PuCoGa5 no Laboratório de Los Alamos, em 2003, os cientistas têm procurado entender se o composto é apenas mais um exemplo comum de supercondutor ou uma forma inusitada, mediada por flutuações magnéticas.
Embora as temperaturas nas quais a supercondutividade é observada costumam ser muito baixas, alguns compostos, como o PuCoGa5, apresentam o fenômeno em temperaturas maiores do que 219º C abaixo de zero.
Segundo o Laboratório de Los Alamos, ainda que pareça muito baixa, trata-se da mais alta temperatura de transição da supercondutividade observada até o momento entre compostos baseados no grupo dos actinídeos, do qual fazem parte o plutônio e o urânio. (Agência Fapesp)