Notícia

G1

Cientistas brasileiros iniciam pesquisa sobre o centro da Terra

Publicado em 03 março 2010

Por Fábio Reynol

Enquanto se espera que geólogos, sismólogos e geofísicos desenvolvam, com o conhecimento sobre a Terra já acumulado, meios para prever terremotos como o do Chile ou o do Haiti , na realidade são os terremotos que servem como fonte fundamental de informações sobre o planeta, em especial sobre o centro da Terra. Os obstáculos, que fazem a ciência recorrer a medidas indiretas, são titânicos: profundidades entre 670 e 2,7 mil quilômetros, pressões inimagináveis e temperaturas que chegam a 1.700°C.

Um dos objetivos da pesquisa é elaborar um mapa de correlação entre temperaturas e profundidades das várias camadas da Terra

Com a missão de estudar a composição do manto terrestre inferior sem depender de tragédias, cientistas brasileiros iniciaram nesta semana um projeto com duração prevista de três anos.

Leia também:

Tremor no Chile em 1835 ajudou Darwin a criar teoria da evolução, diz historiador

A pesquisa vai reproduzir por meio de modelos computacionais as condições termodinâmicas a que os minerais estão expostos no subsolo terrestre.

"Para se ter uma ideia, a camada pré-sal do oceano na qual o Brasil vai explorar petróleo compreende profundidades de cerca de 7 quilômetros. Isso mostra que conhecemos somente a casquinha do nosso planeta", comparou João Francisco Justo Filho, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do projeto de pesquisa.

Uma das técnicas que serão utilizadas é a medição da radiação térmica de corpos negros, ferramenta da astrofísica que registra a radiação captada na superfície de um corpo, no caso a Terra, emitida pelo seu interior. A medida permite inferir por onde passou a radiação ao analisar sua trajetória desde o núcleo até a superfície.

Um dos objetivos da pesquisa é a elaboração de um mapa de correlação entre temperaturas e profundidades das várias camadas do planeta. "Essa ainda é uma questão em aberto no estudo do manto inferior terrestre", explica Justo Filho.

Com as simulações, os pesquisadores esperam aprofundar os conhecimentos sobre a composição química do manto terrestre, a geodinâmica e a termodinâmica do planeta e a evolução das placas tectônicas, informações essenciais para o melhor entendimento dos terremotos.

Com informações da Agência Fapesp