Notícia

Gazeta Mercantil

CIÊNCIA: Rio Preto entra no Projeto Genoma

Publicado em 04 dezembro 2001

Por Daniele Gonçalves - de São José do Rio Preto
Uma parceria entre a Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), o governo estadual e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) vai liberar recursos da ordem de R$ 1,2 milhão para a construção e aparelhagem de um centro de pesquisa para o estudo de vírus causadores de doenças como o HIV, hepatite C, hatavirose e dengue. A unidade vai abranger o novo laboratório de virologia da faculdade, a 17a instituição de ensino superior paulista a integrar o Projeto Genoma-vírus. As obras, cujo início está previsto para dezembro, devem ser concluídas em seis meses, segundo o diretor-geral da Famerp, José Victor Maniglia. "Do montante total do empreendimento, R$ 400 mil é a nossa contrapartida para a construção do prédio. A verba da Fapesp será usada na contratação de pessoal e aquisição de equipamentos". Os médicos Plínio Luís Luppino e Edmo Garcia de Lima serão os responsáveis pela coordenação do centro de pesquisa rio-pretense, o único na região noroeste do Estado a ser construído e equipado para esse fim. A unidade irá isolar e seqüenciar genes dos vírus causadores dessas doenças. Os pesquisadores afirmam que a partir do seqüenciamento e da identificação de diferenças genéticas do vírus de determinada doença será possível melhorar o diagnóstico, implementar novos tratamentos e até produzir vacinas contra esses vírus. Outro papel a ser desempenhado pelo laboratório diz respeito ao treinamento técnico e reciclagem de profissionais da área por meio de cursos periódicos, conforme Luppino. "Nossa intenção é transformar esse laboratório em um centro regional de vigilância epidemiológica". Segundo ele, no caso do surgimento de um surto de doenças virais, por exemplo, a unidade vai estar disponível para colher amostras e identificar os causadores do problema de saúde, encaminhando os resultados à secretaria estadual da área. "Além dos serviços prestados aos acadêmicos e pesquisadores da Famerp, a população também será beneficiada. Em um futuro próximo, o laboratório vai atender tanto aos pacientes do Hospital de Base, quanto às pessoas que são atendidas na rede municipal de saúde". Luppino complementa que o laboratório será multidisciplinar na função acadêmica, pois as doenças causadas por vírus fazem parte do cotidiano de médicos de várias especialidades, sejas elas clínicas ou cirúrgicas. O projeto arquitetônico do laboratório de virologia utiliza um modelo semelhante ao do Instituto Pasteur, na França, obedecendo normas internacionais de segurança e funcionamento. Segundo Luppino, com essa estrutura a unidade funcionará como centro de pesquisa de ponta para os próximos 20 anos. "Uma das novidades do laboratório é o equipamento denominado seqüenciador, que identifica os componentes do genoma estudado".